A empresa Águas de Paços de Ferreira (AdPF) nega a existência de “qualquer incumprimento contratual ou legal que justifique uma rescisão contratual”. Em causa está a rescisão do Contrato de Concessão com a empresa Águas de Paços de Ferreira, aprovada em reunião extraordinária na quarta-feira, dia 27 de julho.

O executivo municipal fundamentou a decisão alegando “o incumprimento na expansão da rede, e também a alienação da empresa sem que tal ato tivesse sido comunicado, previamente, à Câmara Municipal”.

O conselho de administração da AdPF sublinha que “estrutura acionista da empresa mantém-se inalterada deste 2014 e é composta por empresas portuguesas com décadas de reconhecida experiência no setor do ambiente e na operação de sistemas públicos de abastecimento de água e recolha de águas residuais”.

Num comunicado enviado à imprensa, a AdPF acrescenta ainda que “investiu, nos últimos 18 anos, mais de 60 milhões de euros nas redes públicas de abastecimento de água e de saneamento de Paços de Ferreira. Este enorme investimento realizado pela AdPF, e que envolveu a construção de 525 km de redes, permitiu mudar radicalmente a qualidade o serviço, evoluindo-se de uma cobertura de 32 para 95%, o que se refletiu numa melhoria muito substancial das condições de saúde pública e de vida no concelho”.

Apesar da rescisão do contrato, já aprovada, a concessionária mostrou-se “disponível, como sempre esteve, para procurar todas as soluções consensuais que permitam evitar custos inerentes a processos de conflito, consciente que este é o único caminho que melhor serve os interesses do concelho de Paços de Ferreira a curto, médio e longo prazo“.

A decisão da rescisão do contrato não foi unânime, uma vez que o PSD Paços de Ferreira votou contra a proposta apresentada.

A concessão da água e saneamento está em vigor no concelho desde 2004.