O PSD Paços de Ferreira votou contra a proposta apresentada, na reunião extraordinária que decorreu na quarta-feira, dia 27 de julho, pelo Executivo Municipal que avança com a rescisão, “com justa causa”, do Contrato de Concessão com a empresa Águas de Paços de Ferreira.

Face a esta posição, o partido socialista considerou que os representantes do PSD “defraudaram a população que juraram defender”, ao contrário do que seria “expetável, tendo em conta a estrondosa responsabilidade em todo este processo por parte do PSD”.

Em resposta ao Executivo Municipal, o PSD emitiu um comunicado no qual frisa que “a votação não podia ser outra por considerar que a proposta apresentada é um verdadeiro ‘tiro no escuro’ e com consequências financeiras imprevisíveis, cuja dimensão pode hipotecar de forma irreversível o futuro do nosso concelho e designadamente o seu desenvolvimento”.

O PSD reitera também que “o documento apresentado pela maioria socialista é insuficiente quanto à sustentabilidade da proposta e absolutamente vazio quanto às previsíveis consequências económicas e financeiras que uma rescisão unilateral poderá implicar”. Salienta ainda que “a este propósito as consequências desastrosas das decisões tomadas pela maioria socialista sobre a alteração do tarifário, que levou o município a ser condenado a pagar dezenas de milhões de euros à concessionaria Águas de Paços de Ferreira. É estranho, mas a maioria socialista continua a esconder a sentença do Tribunal Arbitral“.

No entanto, os Vereadores do Partido Social Democrata manifestaram, no comunicado, “a total disponibilidade para integrar uma comissão de negociação para desencadear um resgate negociado que, dessa forma, trilhe um caminho seguro e de previsibilidade para os nossos concidadãos”.