Há oito anos que visitar o presépio do senhor Augusto Ferreira, na Rua de Ramos, é fazer um pequeno ‘passeio’ pela freguesia de Baltar, no concelho de Paredes. 

Com 20 metros quadrados e 122 figuras, a ‘Aldeia Natal de Baltar’ apresenta aos mais curiosos o património da freguesia, como o quartel dos bombeiros, o rio velho, a casa de foral e a igreja matriz.

Em entrevista ao Jornal A VERDADE, Augusto Ferreira confessa “gostar” do Natal, “admira” a época, mas como nos diz “admiro mais este trabalho. É complicado, mas é feito com gosto”.

Um gosto que já vem de pequenino, de casa da mãe. “Lembro-me que colocava lá uns bonequitos, gostava e gosto. Foi evoluindo e agora estou crescido e o presépio também. Tornou-se um vício”, garante.

Inaugurado no dia 8 de dezembro, o presépio está exposto ao ar livre, apenas coberto com uma estrutura e, segundo o senhor Augusto, “não há outro no concelho com esta dimensão e beleza. À noite é a coisa mais linda”, diz orgulhoso.

As luzes ligam-se por volta das 17h30 e “tudo tem de estar no sítio certo, não é só colocar os bonecos, é preciso colocá-los no ponto certo, por causa da iluminação”.

Tudo isto vai além da admiração da família de Augusto Ferreira. Como nos explica, são “muitas” as pessoas que visitam o presépio e à noite “é uma coisa fora de série. Isso dá-me gosto e motivação para continuar. Fico contente”

Só mesmo o “gosto” o pode fazer continuar, pois são “pelo menos oito dias consecutivos” de trabalho. “São muitas horas, mas tenho o apoio dos filhos, que ajudam a montar as casas. A  minha esposa e a nora também colaboram. Aliás, os mais chegados vão ajudando, mas a parte mais dolorosa é do artista”, diz em tom de brincadeira. 

A pior parte é “arrumar. Fico mesmo muito triste, porque as peças em madeira são todas feitas por mim”, acrescenta.

Na casa desta família, o Natal tem outra “animação” e assim que chega a casa, os olhos do senhor Augusto “são só virados para o presépio. Fico cá fora a olhar e admirá-lo”.

O do próximo ano já está em preparação e contará com “novidades. Já tenho algumas ideias, porque gosto de ter sempre alguma coisa nova. Ainda vou fazer mais coisas”.

O que é certo é que Augusto Ferreira nunca vai “parar”.