O Dia Mundial do Dador de Sangue assinala-se, anualmente, a 14 de junho, alertando para a importância do contributo voluntário dos dadores. 

“Dar Sangue é um ato de solidariedade. Junte-se a esta causa e salve vidas” é o slogan que o Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) lança para as campanhas deste ano e que pretende “agradecer aos dadores de sangue e consciencializar as opiniões públicas”, assim como chamar a atenção para a “necessidade do compromisso de dádivas regulares ao longo do ano”. 

Compromisso que Tiago Teixeira, um jovem natural de Lousada, abraçou quando o irmão foi diagnosticado com leucemia mieloide aguda. “Antes de descobrirmos a doença do meu irmão já tinha tentado ser dador de sangue por duas vezes, mas não tinha conseguido dar devido a valores sanguíneos alterados. Desta vez consegui e tornei-me dador de medula óssea”, explica o jovem de 33 anos ao Jornal A VERDADE.

A vontade de ser dador sempre esteve presente. “Aliás, o meu pai já o era e sempre achei um dos atos mais simples e nobres que uma pessoa pode ter, pois estamos a doar algo que o nosso organismo tem capacidade de repor e a salvar outras vidas”, sublinha Tiago Teixeira. Mas foi o diagnóstico do irmão que o deixou, “sem sombra de dúvida, muito mais sensibilizado e preocupado. Com a situação do Pedro ficamos todos mais alertados para as necessidades existentes a nível de sangue, medula e plaquetas”.

Inicialmente, Tiago Teixeira realizou a recolha da medula óssea para o teste de compatibilidade, mas mais tarde, “uma vez que não ficamos como dadores universais de medula quando efetuamos uma recolha de compatibilidade para um familiar direto”, dirigiu-se a um posto móvel e tornou-se dador universal de medula óssea e sangue.

Apesar do seu propósito inicial ter sido a doação de medula, Tiago Teixeira ficou “mais sensibilizado” e tornou-se também dador de sangue. “Não consigo descrever muito bem qual é o sentimento que senti, mas é agradável saber que estamos a ajudar. Enquanto puder e me deixarem vou continuar”, frisa.

Na opinião de Tiago, “estes assuntos ainda parecem tabu nos dias de hoje e não temos noção das necessidades”. Por isso, o jovem acredita que o IPST, bem como outras entidades “deveriam expor mais as suas necessidades, sensibilizar os jovens a doar sangue, medula e plaquetas. É algo que não chega até nós. Hoje em dia com a facilidade de acesso a meios de comunicação e redes sociais, não percebo porque não se aposta em falar destes assuntos abertamente e aproveitar estes meios/pessoas para solicitar as dádivas e alertaram das necessidades”.

“O simples facto de saber que estamos a salvar uma vida deveria ser o maior dos incentivos”, mas Tiago apela a que “sejam dadores. Retirar o desespero de um doente e familiares, compensa aqueles 15 minutos que perdemos nas nossas vidas a dar sangue, medula e/ou plaquetas”.

Para mais informações sobre as dádivas, pode consultar o site do IPST.