O XXIV Concurso de Vinhos do Marco de Canaveses realizou-se esta sexta-feira, na Quinta de Santo António, no Torrão, tendo a Grande Medalha de Ouro sido conquistada pelo vinho Tongobriga Loureiro 2021, da produtora Maria Carolina Mendes, a última participante a integrar a Rota dos Vinhos. 

A vencedora entrou no mundo vinícola há quatro anos e está a dar seguimento ao sonho do pai. Sem formação em enologia, continuou este trabalho pelo gosto e proximidade. “Foi una surpresa enorme, estamos super orgulhosos. Foi um premiar das boas práticas que temos na vinha”, disse.

“Vamos procurar fazer vinhos ainda melhores, passar para o setor premium”, referiu o pai da produtora, em entrevista à comunicação social.

Eduardo Abade, presidente do júri do concurso de Vinhos do Marco de Canaveses, realçou o sucesso do concurso. “Correu muito bem, quando dizemos que correu muito bem comparamos sempre com anos anteriores, este ano foi ótimo, não só em termos de vinho, como também em termos dos provadores que estiveram presentes”, disse.

O presidente do júri acrescenta que “os vinhos presentes foram superiores em termos qualitativos, o que resulta num crescimento da região”

Os vencedores das medalhas de ouro foram o Pecado Capital Alvarinho e Avesso 2021 e o Casa Vilacetinho Avesso Grande Reserva 2017. Os vencedores das medalhas de prata foram os vinhos EPAMAC Branco 2021 e o Besta, Branco 2021. Os vinhos Ribeira de Castro, Branco 2021 e Quinta do Beiral, Branco 2021, venceram as medalhas de bronze.

A presidente da Câmara Municipal de Marco de Canaveses, Cristina Vieira, destacou a aposta do município que “passa por uma estratégia global”, onde para além da promoção da gastronomia e dos monumentos, passa “por aquilo que são os nossos vinhos verdes do Marco. Temos vinhos no concelho que têm sido reconhecidos nacional e internacionalmente, altamente medalhados. Temos jovens produtores e isso também diz muito sobre o que é a capacidade de inovação, de acompanhar o mercado”.

De acordo com a autarca, esta aposta “passa também por dar melhores condições de os ajudar na promoção dos seus vinhos. Passa por apoiar com as inscrições e acompanhar nas feiras internacionais e nacionais, onde temos vindo a marcar uma posição muito sólida e muito concreta com os produtores dos vinhos do concelho”.

A presidente recordou ainda que a sede social da Rota dos Vinhos do Marco será na Casa dos Arcos. O projeto tem um investimento acima de três milhões de euros e pretende ser um espaço “museológico e dedicado à produção do vinho” e ter enólogos para aumentar a “capacidade de liderança no mercado e, sobretudo, a qualidade dos vinhos. Vamos ter uma vinha experimental, com as 52 castas que existem no território”.

Cristina Vieira defende que “tem sido a qualidade que nos tem distinguido e tem sido também a capacidade de resiliência que os nossos produtores têm tido, porque este tem sido um verão muito quente, em termos técnicos há escaldões nas vinhas e muitos dos nossos produtores sofreram quebras devido às altas temperaturas”.

Cristina Vieira refere que o vinho é um “produto estratégico” que une a “cultura, gastronomia e turismo. No geral os nossos produtores têm sido muito resilientes, têm tido esta capacidade de inovação e só tínhamos de estar orgulhosos. Estamos muito orgulhosos dos nossos produtores de vinhos”.

O evento realiza-se anualmente e tem como objetivo apoiar os produtores de vinhos e criar condições para que os jurados possam eleger, numa única categoria que engloba os brancos, rosés e tintos os vencedores de cada edição. 

Texto redigido com o apoio de Daniela Lenchyna