Penafiel

Vinhos de Penafiel entre os "Melhores Verdes 2021" na categoria "Ouro"

José Rocha

30-04-2021

Saiba quais vinhos distinguidos no concurso anual da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes.

Foto: J.Paulo Coutinho

A Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV) acabou de anunciar “Os Melhores Verdes 2021”, concurso que destacou os melhores vinhos verdes da região em 10 categorias distintas. A principal distinção - a "Grande Medalha de Ouro" - foi atribuída ao vinho Quinta do Regueiro Reserva Alvarinho 2013, de Melgaço.

No entanto, há dois vinhos do concelho de Penafiel distinguidos na categoria "Ouro", de um total de dez. Tratam-se do Quinta de Linhares Premium 2020 (verde branco) e do Quinta de Linhares Azal 2020 (verde de casta). A Quinta de Linhares situa-se na freguesia de São Mamede de Recezinhos.

O total de 152 vinhos foi seleccionado por um júri constituído por Óscar Pereira (Direcção Regional da Agricultura e das Pescas do Norte), Luís Correia (Instituto Politécnico do Porto/ Escola Superior de Hotelaria e Turismo), Paulo Nunes e António Pina (Comissão Vitivinícola Regional do Dão), Manuel Pinto (Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P.), Lisete Osório (Comissão Vitivinícola Regional Távora Varosa), Daniela Almeida (Comissão Vitivinícola da Bairrada), Paulo Lopes (Amorim Cork), dois elementos da Câmara de Provadores da CVRVV (Maria José Pereira e Bárbara Roseira), José Augusto Moreira (Jornal Público) e José João Santos (Revista de Vinhos).

O júri de 2021 provou cerca de 200 amostras a concurso, agrupadas em oito grandes categorias: Vinhos Verdes Brancos, Rosados, Tintos, de Casta, Colheita Igual ou inferior a 2018, Espumantes de Vinho Verde, Aguardentes de Vinho Verde e Vinho Regional Minho. Os prémios Ouro e Prata foram atribuídos ao primeiro e segundo classificados em cada categoria e os prémios Honra aos restantes concorrentes com pontuação igual ou superior a 80 pontos.

“Este concurso ganha particular expressão num ano de retoma em que os produtores de vinho carecem de incentivo e de reconhecimento pela sua capacidade produtiva e de promoção. São 150 motivos de orgulho que comprovam que a Região mantém um caminho de valorização e de crescimento que é alicerçado na excelente qualidade dos vinhos que são produzidos. Destacamos com satisfação que o número de colheitas iguais ou superiores a três anos a concurso continua a crescer, o que reitera a estratégia de valorização definida para a marca Vinho Verde”, destaca Manuel Pinheiro, presidente da CVRVV.