Amarante

Amarante decreta luto municipal pelo falecimento de António Cardoso

Ana Regina Ramos

03-06-2021

António Cardoso era diretor do Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso.

Foto: Pedro Costa

O diretor do Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso, António Cardoso, faleceu esta quinta-feira, dia 3 de junho, aos 89 anos. O município de Amarante expressa "profundo pesar pela sua perda, decretando, como expressão de uma justa homenagem, luto municipal para dia 4 de junho".

"À família e a todos os que sentem esta perda, o município expressa igualmente as mais sentidas condolências", refere um comunicado da autarquia.

António Cardoso, "amarantino de Excelência, cujo legado se projeta muito além das fronteiras do concelho", nasceu em 1932 e concluiu o curso do Magistério Primário em 1941. Estudou pintura na Academia Alvarez e frequentou a Escola Superior de Belas-Artes do Porto. Apresentou programas de televisão escolar e foi realizador da Televisão Educativa e da Telescola antes de 1974. Integrou a Comissão do Ministério da Educação para a renovação do Sistema de Avaliação de Alunos do Ensino Básico e Secundário.

Licenciou-se em História, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, em 1974, onde se viria a doutorar em História da Arte com uma tese sobre o Arq. José Marques da Silva. A partir de 1981, lecionou naquela faculdade que representou na Comissão do Património da Câmara Municipal do Porto, entre 1996 e 2001.

Desde os anos 90 até à presente data, foi diretor do Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso (MMASC) e foi da sua responsabilidade a edição do primeiro catálogo da coleção do museu, publicado em 1997. "O inegável prestígio do MMASC é, e será sempre, indissociável da sua ação", escreve o município.

António Cardoso foi também pintor. Realizou diversas exposições individuais e participou em inúmeras exposições coletivas. Recebeu o Prémio dos Críticos de Arte para a Representação Portuguesa na I Bienal de Paris, de 1959.

Professor, Museólogo, conferencista e crítico de arte, foi membro da Associação Portuguesa de Museologia, da Associação Regional do Património Cultural e Natural e da secção portuguesa da Associação Internacional dos Críticos de Arte.

O percurso de vida de António Cardoso "fica marcado pelo grande e abnegado contributo cívico ao serviço da cultura no município de Amarante, que sempre elevou em todas as funções e palcos por onde passou".

"Amarante e Portugal sentirão a falta do professor, do homem de cultura e do amigo", remata o documento.