Sociedade

Banco de Portugal prevê que critérios para crédito apertem

A Verdade

03-05-2021

No segundo trimestre de 2021, está previsto que os critérios para aprovação de crédito sejam apertados por parte dos bancos e instituições financeiras.

No segundo trimestre de 2021, está previsto que os critérios para aprovação de crédito sejam apertados por parte dos bancos e instituições financeiras. Com uma maior procura por empréstimos, existem alguns pontos que têm se ser cumpridos para ser possível conseguir uma aprovação.

O Banco de Portugal anunciou nesta terça-feira que prevê que os bancos sejam mais limitativos na concessão de crédito às famílias e empresas no segundo trimestre deste ano. Segundo o regulador, vai existir uma maior procura por financiamentos por parte de particulares, em comparação com os dados do primeiro trimestre. Já as empresas deverão reduzir a quantidade de pedidos de crédito.

O que vem sustentar esta afirmação são os resultados do Inquérito aos Bancos sobre o Mercado de Crédito, já que este estudo revelou que as instituições estão a ponderar aplicar “critérios de concessão de crédito ligeiramente mais restritivos no crédito a empresas e a particulares” entre abril e junho de 2021. Em relação ao crédito habitação, a situação ficou “praticamente inalterada”.

No sector empresarial, estas restrições impostas à facilidade na aprovação de créditos aparecem graças a alguns fatores, como uma “maior perceção de riscos associados à situação e perspetivas de setores ou empresas específicos.“ Já no caso do crédito ao consumo, na base das maiores restrições está uma "contribuição ligeira da perceção de riscos associados à situação e perspetivas económicas gerais."

As conclusões do inquérito apontam que, no primeiro trimestre, se verificaram "condições mais restritivas no que respeita a garantias exigidas no crédito a empresas, em particular a PME e, em menor grau, ao montante do empréstimo no caso de grandes empresas". No fundo, os bancos que foram questionados verificaram que têm de aplicar esforços para identificarem situações de possíveis incumprimentos e acabam por desenvolver uma "menor tolerância aos riscos na concessão de novos empréstimos a empresas" e a particulares.

Este aperto nas aprovações de crédito pode estar relacionado com o aumento nos pedidos às instituições. O BdP mencionou que, no caso dos particulares, a procura registou um "ligeiro aumento", impulsionada pelo "baixo nível das taxas de juro, sobretudo no segmento da habitação". As perspetivas são que os pedidos de empréstimos por particulares sofram um “ligeiro aumento”, em contraste com os pedidos feitos por empresas, em que predomina a previsão de uma “ligeira diminuição”.

Este questionário que esteve na base do relatório foi enviado aos bancos no dia 11 de março de 2021 e a submissão das respostas aconteceu até ao dia 26 de março.

É possível ter uma aprovação de crédito urgente?

Como o regulador aponta, os pedidos de crédito ao consumo por parte das famílias portuguesas poderão vir a aumentar neste segundo trimestre. Os efeitos da pandemia da Covid-19 ainda são sentidos nas finanças de muitas pessoas, o que poderá levar a uma necessidade de financiamento extra para colocar as contas em dia. Além disso, situações inesperadas continuam a acontecer e, como as poupanças podem ter diminuído ao longo do último ano, poderá ser preciso pedir um crédito rápido urgente.

Com as exigências das instituições financeiras redobradas, é preciso seguir alguns pontos para conseguir uma aprovação segura e rápida nestas ocasiões.

  1. A situação financeira tem de estar regularizada

Antes de se seguir com um pedido de empréstimo urgente, há que cumprir com o ponto a que os bancos prestam mais atenção: se existem dívidas pendentes, tanto no pagamento de prestações de crédito como de pagamentos em atraso ao Estado.

Como as entidades financeiras querem ter a certeza que o reembolso de um crédito será feito sempre na altura certa, é necessário provar que isso já acontece no momento em que é feita a solicitação de um novo financiamento. Por isso, é crucial que se apresente uma situação financeira estável.

Além disso, é necessário ter uma fonte de rendimento, o que poderá ser demonstrado através de um contrato de trabalho ou, no caso de trabalhadores independentes há mais de 2 anos, de lucros habituais declarados.

  1. Escolher o tipo de crédito certo

Ter uma resposta rápida dependerá do tipo de crédito solicitado. Antes de mais, a solução que envolve menos burocracia é um crédito pessoal, que por si só já permite uma aprovação em cerca de 24 horas.

Como os critérios vão apertar, é preciso que se conheça bem todos os tipos de crédito disponíveis, já que existem créditos pessoais para férias, eletrodomésticos, obras, formação, entre outros. O crédito certo trará menos juros para casos específicos, logo resultará num montante a reembolsar menor. Consoante a situação financeira de cada um, os bancos aprovam certas quantias de crédito solicitadas. Por isso, ver todas as soluções do mercado é imprescindível.

Mesmo assim, o primeiro ponto terá de estar sempre presente para que essa aprovação ocorra.

  1. Fazer o pedido junto de entidades regularizadas pelo Banco de Portugal

Agora que já se sabe que os requisitos vão ser mais exigentes, há que tomar extra cuidado com ofertas de crédito fácil. O Banco de Portugal já avisou que quem procura por um financiamento apenas o deve fazer junto de instituições ou intermediários de crédito aprovados pelo regulador (que podem ser consultados nesta lista). Não valerá de nada obter uma aprovação na hora se isso resultar num caso de fraude. Aliás, será sim um prejuízo. Por isso, há que manter uma atitude de precaução, estando protegido contra essas situações.

  1. Reunir todos os documentos necessários o mais rápido possível

Para que um crédito seja aprovado, será sempre necessário enviar alguns documentos. Este passo é exigido por todas as instituições financeiras, por isso quanto mais rápido for enviada a documentação, mais rápida será a resposta por parte das entidades. Alguns dos documentos solicitados são o cartão de cidadão, os comprovativos de morada, conta bancária e de rendimentos, para além do Mapa de Responsabilidades de Crédito (que mostra todos os créditos existentes, assim quanto falta reembolsar e, caso existam, dívidas pendentes).

Ao serem praticados estes 4 pontos, será possível conseguir uma aprovação mais rápida de um empréstimo. No caso de um crédito habitação, naturalmente esse empréstimo demorará mais tempo a ser aprovado e terá mais burocracias, pois é um produto financeiro de grandes montantes de financiamento. Ou seja, ao trazer mais riscos para as entidades, estas terão ainda mais atenção na altura de aprovar um pedido.