Foi entre a música, o teatro e a cultura no geral que Rui Taipa cresceu, em Freamunde, no concelho de Paços de Ferreira. Hoje em dia, é músico e professor de música e já passou pelo “The Voice Portugal”. No dia 21 de maio, vai atuar na sua terra natal, no Mercado Municipal, e espera casa cheia.

Com sete anos, recebeu da avó uma harmónica e, em pouco tempo, já sabia tocar algumas músicas. Sabe tocar guitarra desde os 15 e lembra que foi na Associação Recreativa e Cultural Pedaços de Nós que teve as “primeiras experiências, com música tradicional portuguesa, com instrumentos de percussão e com o jazz”. “Sempre houve discos e cassetes em casa. Nunca houve falta de estímulos nesse sentido”, afirma ao Jornal A VERDADE.

Foto: DR

Já cantou em vários locais como bares, hotéis, casamentos e outros eventos e tem três trabalhos discográficos lançados em edição de autor: “Meia Dúzia de Histórias”, “Berro” e “Sala Calada”. Além disso, tem um trio de covers, integra a Orquestra de Jazz do Porto num projeto de tributo a Frank Sinatra e também uma banda de casamentos.

Rui Taipa é licenciado em Música e Educação Musical e diz que nunca sonhou em ser professor. “Mas acabei por perceber que também tinha vocação para essa vertente. Então, tenho tentado conciliar o ensino com o lado mais performativo. Ser músico a tempo inteiro é cada vez menos uma miragem”, sublinha.

Depois de uma pandemia e de um disco lançado nesse período (Sala Calada, 2020) “com quase nenhum concerto realizado para o promover”, considerou que o programa “The Voice Portugal” fosse “um bom veículo para chegar a um público geral”. Durante o concurso, foi apadrinhado pelo cantor António Zambujo.

Foto: DR

Quanto a planos para o futuro, o jovem revela: “O meu objetivo, neste momento, é agendar concertos com o meu quinteto e começar a trabalhar no meu segundo álbum. Se possível, conseguir trabalhá-lo com ‘alguém’ que impulsione a minha carreira, para o patamar que desejo e me esforço por chegar há muitos anos”.

No dia 21 de maio, em Paços de Ferreira, vai estar “a jogar em casa”. Tem uma atuação com entrada livre no Mercado Municipal, pelas 21h30, com Pedro “Kurt” Rompante na bateria, Gerson Pereira no baixo, Xavi Sousa no trombone, Gonçalo Palmas nas teclas e João Sousa no som. A primeira parte vai estar a cargo de Castro.

“Sendo a entrada livre e tendo o espaço todas as condições para receber uma plateia de forma confortável, espero que esgotem os lugares sentados e que ainda entrem mais algumas pessoas e fiquem de pé. Tem tudo para ser uma noite memorável”, concluiu.