A manter-se o aumento do salário mínimo proposto pelo Governo, de 705 para 750 euros em 2023, o patamar até ao qual os portugueses estão isentos de IRS deverá aumentar 630 euros, ou seja, de 9.870 para 10.500 euros anuais em 2024, adianta o Dinheiro Vivo.

Com esta medida, daqui a dois anos, cerca de  2,5 milhões de trabalhadores (ou um quarto da população) estão livres de pagar IRS.

Em relação à evolução da remuneração mínima garantida e tendo em conta uma inflação galopante, que poderá atingir este ano 7,7%, segundo o Conselho das Finanças Públicas, o governo até poder ir além dos 750 euros para o próximo ano, como reivindicam UGT e CGTP. Se o governo aplicar os 7,7% de aumento no salário mínimo, este valor subiria para 759 euros, mais nove euros do que o previsto, o que elevaria o mínimo de existência para 10 629,9 euros. 

A proposta final deverá ser apresentada na reunião desta quarta-feira da Concertação Social. A menos de 15 dias da entrega da proposta do Orçamento do Estado (OE) para 2023, parceiros sociais e governo iniciam negociações para um pacto social que eleve não só o salário mínimo, mas também os vencimentos médios, e como contrapartida preveja um alívio fiscal para os empregadores