Quase metade das empresas da restauração registaram em janeiro quebras acima dos 40% e um terço das empresas de alojamento tiveram perdas acima dos 60%, ainda associadas à pandemia, segundo um inquérito divulgado esta segunda-feira, dia 7 de março, pela Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP).

De acordo com o mais recente inquérito da AHRESP, “o ano 2022 começou pior que 2021 para as empresas da restauração, similares e do alojamento turístico”: “Após dois anos de pandemia, com várias restrições à atividade, ao sobre-endividamento das empresas juntam-se, agora, os aumentos de preços de energias, combustíveis e de matérias-primas”, sustenta.

Leia a notícia completa em expresso.pt.