Com as temperaturas a descer cada vez mais, os portugueses têm sentido “dificuldades” para lidar com o frio nas suas casas. Assim, cerca de 700 mil portugueses não têm rendimentos suficientes para suportar as despesas de aquecimento doméstico.

Perante a vaga de frio polar que o país tem enfrentado os dados tornam-se “ainda mais alarmantes”, desta forma, os portugueses “não têm maneira de ter conforto térmico em casa”.

A Estratégia Nacional de Longo Prazo para o Combate à Pobreza Energética 2022-2050 afirma que entre 1 milhão e 2 milhões de portugueses vivem numa situação moderada de pobreza energética e por volta dos 700 mil habitantes numa condição severa.

O especialista em Eficiência Energética em Edifícios Nuno Henriques afirma “que são necessários apoios do Estado para combater o problema. Atualmente está em vigor uma regulamentação que exige maior isolamento térmico na construção das casas”.