Alguns professores da Escola Secundária de Marco de Canaveses uniram-se ao movimento de greve nacional dos docentes, partilhando o sentimento de “desagrado pela contínua desvalorização da carreira”.

O descontentamento é visível na frase que ‘vestem’: “Professores de luto e em luta”. Em representação do grupo de professores da Escola Secundária de Marco de Canaveses, que aderiu à greve, Susana Dias, professora de Filosofia afirma que “este ano letivo está a ser marcado por mais uma novidade opaca que paira no horizonte“.

Em declarações ao Jornal A VERDADE, a docente refere-se à mudança na gestão do recrutamento dos professores, até agora da exclusiva responsabilidade do ministério da educação, mas que se prevê ser partilhada pelos municípios. Para Susana Dias, “o processo está a ser pouco transparente já que o ministério forneceu informação incompleta e dúbia sobre as alterações”.

Acrescenta ainda que “os diretores dos estabelecimentos não tiveram qualquer informação sobre o assunto” e os professores “entenderam que têm que, desde já, mostrar ao senhor ministro que estamos muito vigilantes em relação ao futuro”, finalizou.

Tem sido vários os professores, de diferentes estabelecimentos escolares, a aderir à greve nacional, que teve início no dia 9 de dezembro.