O Hospital Beatriz Ângelo é a unidade hospitalar mais reclamada, revela o Portal da Queixa.

Desde o início do ano, os utentes apresentaram mais de 2200 reclamações contra as entidades de saúde públicas. A grande maioria das queixas são dirigidas aos hospitais e o principal motivo de reclamação refere-se aos constrangimentos sentidos nas Urgências.

O ano de 2022 tem sido assolado por vários problemas nas urgências hospitalares. Os constrangimentos começaram a meio do ano nas urgências de ginecologia e obstetrícia e estenderam-se, nos últimos meses, às urgências hospitalares, com esperas no atendimento a ultrapassar as 12 horas, em vários casos relatados pelos utentes. 

Perante a situação caótica observada de norte a sul do país, o Portal da Queixa fez uma análise às reclamações registadas na sua plataforma, onde apurou quais as unidades hospitalares que têm enfrentado mais problemas, segundo as queixas dos utentes.

Entre os dias 1 de janeiro e 13 de dezembro de 2022, chegaram ao Portal da Queixa 2202 reclamações relacionadas com os serviços de saúde públicos. Verifica-se que 1312 reclamações, (65%) são dirigidas aos hospitais, sendo o principal motivo de queixa reportado pelos consumidores: os vários constrangimentos nas urgências hospitalares (adultos e pediátrica) e maternidades.

Entre as reclamações relacionadas com os serviços de urgência, as queixas vão desde as horas intermináveis na sala de espera (média a ultrapassar as 12 horas), a incapacidade de o hospital responder a casos urgentes, o mau atendimento, a falta de condições para receber tantos utentes e dificuldades pelo fecho inesperado das urgências hospitalares.

A análise efetuada permitiu identificar qual o Top 5 dos hospitais que acolhem maior número de reclamações figuram: o Hospital Beatriz Ângelo (90 queixas); Hospital de Braga (58); Hospital de Santa Maria (Lisboa); Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (46) e Hospital de Faro (33).