O presidente da Direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Marco de Canaveses criticou hoje a anunciada falta de apoio da Liga dos Bombeiros Portugueses à deslocação das corporações ao campeonato internacional de manobras.

Recorde-se que a equipa B dos Bombeiros do Marco conquistou recentemente o título nacional, ficando apurada para o campeonato internacional de manobras a disputar no próximo mês de julho na Eslovénia.

João Lima disse não compreender como o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, “eleito há seis meses, se lembre agora, a três semanas do início do campeonato, de mudar as regras do jogo”.

O dirigente dos bombeiros marcoenses lembrou que “sempre foi a Liga dos Bombeiros Portugueses a suportar os custos dos transportes das equipas e, segundo as contas que eles próprios apresentaram, para os bombeiros do Marco são 8.500 euros”.

Falando à margem da comemoração do Dia Municipal do Bombeiro, assinalado este sábado na freguesia de Vila Boa do Bispo, Marco de Canaveses, o presidente da direção disse “não poder aceitar que alguém mude assim as regras e passe o ónus da não participação destas equipas para as associações humanitárias ou para as autarquias locais”, apontou.

Ainda assim, garantiu que  “tudo está a ser feito para que os Bombeiros do Marco possam ir, porque andam há muitos anos nas equipas de manobras, com os resultados que conhecemos”.

Município do Marco lamenta situação 

No decorrer da cerimónia, também a presidente da Câmara Municipal de Marco de Canaveses, Cristina Vieira, abordou este assunto, revelando que teve conhecimento do mesmo na sexta-feira. “Ainda não tive oportunidade de avaliar a situação, mas logicamente que se é como o presidente da associação humanitária nos transmitiu, é lamentável. Os bombeiros estavam a contar com isso, porque foi prática comum até agora. E não existindo nenhum fator relevante que leve a Liga de Bombeiros Portugueses a justificar esta atitude, é mesmo lamentável”, disse.

Contudo, caso a liga não volte atrás na sua decisão, a autarca indicou já existir uma alternativa.  “A câmara municipal e os presidentes de junta que estiveram aqui hoje mostraram disponibilidade para pagar o transporte dos bombeiros, se for necessário”, indicou Cristina Vieira que assumiu como garantida a ida dos bombeiros à prova.