Porém, Mário Vaz informa que há “um elevado grau de incerteza” relativamente a este objetivo.

A Vodafone informou que o primeiro objetivo, após o ciberataque ocorrido na noite desta segunda-feira, 7 de fevereiro, é recuperar os dados móveis (4G), o que poderá acontecer ainda na tarde desta terça-feira, 8 de fevereiro.

Na conferência de imprensa desta manhã, Mário Vaz, presidente-executivo da Vodafone Portugal, garantiu que há um “elevado grau de incerteza” relativamente ao objetivo anteriormente referido, uma vez que “são muitos elementos que estão a ser reconstruídos”.

De acordo com o presidente está a ser refeito “tudo o que foi desfeito”, dirigindo um pedido de desculpas e pedindo compreensão aos clientes, que são cerca de quatro milhões. “É um trabalho moroso, um trabalho que necessariamente tem de ser feito numa sequência”, disse.

Segundo Mário Vaz, este foi um “um ataque dirigido à rede, com o propósito, seguramente voluntário, intencional de deixar os nossos clientes sem qualquer serviço. O objetivo deste ataque foi claramente tornar indisponível a nossa rede e com um nível de gravidade”, lamentou.

O presidente informou também que a Vodafone está a trabalhar com a Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), com o Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) e com “outras entidades” com o objetivo de restabelecer os serviços e encontrar as causas para o sucedido.