Segundo dados do estudo Observador Cetelem Natal 2022, os portugueses planeiam gastar durante o período do Natal cerca de 239 euros em presentes, mercearias e decoração da época natalícia.

Este valor corresponde a uma diminuição de 25% face ao ano passado, ou seja, menos 60 euros. Neste sentido, uma das causas referidas pelo Celetem, em nota de imprensa, para esta redução é “a diminuição do poder de compra dos portugueses”.

O estudo analisou e concluiu que este ano há um aumento no número de inquiridos que tencionam gastar apenas até 100€ (+19 p.p.) que em 2021. Já 33% pretendem gastar entre 101€ e 250€, 18% entre 251 e 500 euros e 9% admitem querer gastar mais de 501€ (-3 p.p.).

De acordo com os dados, a maior parte desse valor será gasto em presentes, 126 euros, menos 21 euros em relação ao ano anterior. Em segundo lugar, seguem-se os gastos em mercearia para a preparação da mesa de consoada e de Natal: 93 euros – menos 47 euros. As decorações de Natal continua a ser a categoria em que os portugueses menos tencionam gastar, mas existe um aumento de sete euros em relação ao ano de 2021.

Em relação às faixas etárias calcula-se que os jovens entre os 18 e 42 anos são os que pretendem gastar menos dinheiro, correspondendo a um valor de 182 euros por média, por outro lado, os inquiridos dos 55 aos 74 anos são os que irão gastar mais, isto é, 273 euros em média. Para além disso, o estudo permitiu chegar à conclusão que os inquiridos mais velhos são os que definem o orçamento de forma mais equilibrada entre os presentes e a mercearia, correspondendo a 47% nas duas categorias.

No que toca as regiões estima-se que os gastos sejam superiores na região Norte com 237 euros, dos quais 39% serão alocados à mercearia e 53% aos presentes, já os inquiridos da região Sul tencionam gastar em média 221 euros e, por último, a região Centro cerca de 201 euros.

Por fim, ao analisar as zonas metropolitanas de Lisboa e Porto, o estudo Observador Cetelem Natal 2022 concluiu que a tendência mantém-se, já que os portugueses na área metropolitana do Porto pretendem gastar mais 34 euros do que os de Lisboa.