Foto: PCP1

Uma delegação do Partido Comunista Português (PCP) contactou na passada segunda-feira, dia 22 de junho, micro, pequenos e médios empresários e comerciantes em Celorico de Basto, de modo a aferir as dificuldades por eles sentidas durante a pandemia da COVID-19.

Na ocasião, o PCP manifestou a intenção de associar a sua intervenção na Assembleia da República a uma ação nacional de contacto com micro, pequenos e médios empresários para dar a conhecer as suas propostas, de forma a “conhecer melhor a realidade de quem está no terreno e sente as dificuldades”.

Propomos o apoio ao rendimento dos micros empresários e empresários em nome individual e a garantia do acesso aos vários apoios públicos que foram criados na resposta à pandemia. Consideramos necessário combater burocracias, restrições e bloqueios inaceitáveis e que seja assegurada a presença no terreno de uma rede de contacto e apoio aos empresários para esse efeito.

O partido propõe também “medidas fiscais de apoio às micro, pequenas e médias empresas e cooperativas suspendendo o pagamento por conta do IRC e antecipando o pagamento pelo Estado aos contribuintes de reembolsos de vários impostos”.

A delegação do PCP pretende ainda que seja possível suspender contratos de energia e telecomunicações para quem teve de fechar a porta na crise epidémica, sugerindo “medidas de apoio e retoma da atividade dos feirantes e de empresários de diversões itinerantes”.

O PCP considera que estas propostas são “construtivas” e também “um contributo para uma resposta concreta e imediata aos problemas que se colocam”.

Texto: Mariana Correia, aluna estagiária da ESEV