Em Paredes, na freguesia de Beire, com pouco mais de dois mil habitantes, “habita” o presépio de São Luís, construído em 1986 pela família Domingos e levado a cabo até aos dias de hoje.

Durante a infância, José Teles acompanhou o processo de criação e “ganhou o bichinho” e hoje, com 45 anos, mantém vivo o sonho do pai, Domingo Moreira Teles, o fundador do presépio, que acabou por falecer em 2015, aos 79 anos.

Em conversa com o Jornal A VERDADE, o senhor Domingos lamenta não poder trabalhar devido a problemas de saúde, mas não baixa os braços e na altura do Natal dedica-se, praticamente sozinho, à construção do presépio durante cerca de dois meses e meio. “Ainda são umas horitas valentes”, diz José Teles entre risos, “horitas” essas que se transformam em dias inteiros de trabalho para garantir o “melhor resultado possível”.

A somar 45 anos, José Teles está convicto de que pretende manter a tradição do pai de forma a tornar o Natal “mais alegre” e proporcionar “animação para a terra e para os vizinhos”, reconhecendo que nesta altura a freguesia “fica com mais movimento”.

Por falar em “movimento”, o senhor Domingos revela que o presépio chega a atrair mais de mil visitantes por dia de todo o país, inclusive, do estrangeiro. O construtor do presépio recorda um dia em que uma senhora visitou a família Domingos e o seu presépio de lágrimas nos olhos. “Já vi aquilo que queria ver há muitos anos”, foi a frase da visitante que ficou cravada na memória de José Teles até hoje. No meio da conversa, surge outra lembrança de um casal que todos os anos chega de Lisboa para ver o presépio, mas acima de tudo para visitar o José e a mãe e “ficar na conversa”.

Ao longo de 36 anos a família Domingos reuniu várias peças de artesanato produzidas por si e pelo seu falecido pai que juntam todos os Natais no presépio e que ano após ano contam a “história desde o antigo testamento até aos dias de hoje”.

Seguro dos números, José Teles partilha que ao longo de 120 metros de presépio é possível encontrar “600 ovelhas, duas mil lâmpadas, cerca de 780 fitas e bolas, perto de 350 peças de artesanato e 960 santos”, a par do nascimento e vida de cristo e, ainda, reproduções da Igreja de Paredes, do Santuário de Fátima e até do Vaticano. No fundo, o percurso “desde o antigo testamento até aos dias de hoje”, partilha José Teles.

José Teles acabou por aumentar o tempo de visita para combater as filas de três horas e meia e permitir que mais pessoas tenham a oportunidade de conhecer um dos maiores presépios da região. O anfitrião diz que é “só aparecer, tocar à campainha e a porta abre-se”.

O presépio de São Luís pode ser visitado de forma gratuita, mas o responsável afirma que “quem quiser pode colaborar”, já que as contas da luz acabam por ser elevadas no fim do mês.

O presépio de São Luís de Beire vai ser inaugurado no dia 17 de dezembro e estará disponível para visita até 31 de janeiro, na Rua de São Luís, nº72 Beire, Paredes. Para mais informações pode contactar o seguinte número de telemóvel 917 673 972 ou e-mail [email protected], bem como, visitar o Facebook.