Natural da freguesia de Ferreira, concelho de Paços de Ferreira, Simão Rocha sagrou-se Campeão Nacional de Natação Adaptada na competição que decorreu nos dias 2 e 3 de julho, na Piscina Municipal de Abrantes.

O nadador de 16 anos conquistou a medalha de ouro depois de vencer as provas 400 estilos, 400 livres e 100 livres do Campeonato Nacional Verão de Natação Adaptada. O jovem nadador foi ainda segundo classificado nas provas de 100 bruços e 50 livres.

Desde os oito anos que a competição faz parte da vida de Simão Rocha, que em representação do Clube Aquático Pacense, já conquistou várias medalhas. “O Simão já se tinha sagrado campeão nacional há três anos no escalão Esperanças, mas veio a pandemia e parou tudo. Entretanto retomamos a competição e voltou a conquistar uma medalha de ouro”, conta Pedro Morais treinador do nadador e do Clube Aquático Pacense.

Com seis anos, Simão Rocha aprendeu a nadar na escola de natação do clube e, dois anos depois, foi integrado nos grupos de competição. “Percebemos que ele tinha potencial e para além disso, a família, nomeadamente o irmão e a prima, já eram nossos atletas de natação regular. Aliás, o irmão é campeão e recordista nacional. Também tinha primos que já passaram por cá e foram bons atletas. Acabou um bocadinho por seguir as pisadas da família”, revela.

Como nos explica o treinador, na natação adaptada não se fala em deficiência, mas sim em em classes, “porque há uma grande tentativa de se deixar de usar a designação ou de conotar o atleta com determinada deficiência. É um mudar de mentalidades”.

Com uma deficiência intelectual, o nadador compete na classe S14 e os objetivos desportivos passam por “ganhar competências para a vida. É um trabalho diário e mais importante do que a performance desportiva dele, é ganhar autonomia, responsabilidade e método com a prática da natação. E temos sentido melhorias”.

Simão Rocha tem apenas 16 anos, mas Pedro Morais garante que as ambições são de “evoluir e continuar a lutar por títulos regionais e nacionais. Depois podemos ambicionar a participação num evento internacional”.

A natação é uma modalidade que, como outros desportos, acarreta vários benefícios e para o treinador “é fundamental que as crianças e jovens adquiram competências aquáticas, para saber estar dentro de água e conhecer os limites de cada um dentro deste meio”.

No caso do desporto adaptado em particular, “acaba por ser muito importante na vida das pessoas.No caso da natação, é um meio mais desafiante que acaba por trazer outros benefícios”, frisa. 

Será que a modalidade está preparada para as pessoas com deficiência? “Ainda estamos longe daquilo que é desejável, porque nem todos os lugares disponibilizam meios. Vemos isso na nossa região, temos natação adaptada em Paços de Ferreira e Lousada, em Paredes começou há pouco tempo um projeto, mas não há muito mais do que isso. No entanto, começamos a ter cada vez mais estruturas e pessoas qualificadas para se trabalhar as pessoas do desporto adaptado”

Se até há bem pouco tempo, o desporto adaptado era “algo isolado e pouco divulgado, hoje, felizmente, já é diferente”, acrescenta. Mais do que a promoção da natação adaptada, Pedro Morais alerta para “a necessidade da promoção do desporto adaptado, porque percebemos os benefícios que a prática desportiva tem nas pessoas com estas condicionantes, não só no imediato mas para a vida”.