Vinte e nove de março de 2014, nascia, no centro da cidade de Marco de Canaveses, o Pianíssimo, um espaço que prometia trazer um novo conceito de salão de chá para o concelho. Oito anos depois, e com muitas histórias para contar, o principal objetivo de Pedro Jesus foi conseguido: ser um ponto de paragem obrigatória – e de referência – em Marco de Canaveses.

Neste espaço, a que muitos clientes apelidam de “segunda casa”, é possível encontrar uma larga variedade de opções para aguçar o paladar. Desde o Pequeno Almoço à Pianíssimo, passando pelas quiches e pelos bolos, até chegar aos crepes, ao muesli ou à granola, a realidade é que ninguém fica indiferente às especialidades do Pianíssimo. “Todos os dias, pensamos nos nossos clientes e no que eles mais gostam. Só assim faz sentido. Há muitos clientes que se deslocam propositadamente ao Marco de Canaveses só para provar as nossas especialidades, o que me deixa feliz”, afirmou Pedro Jesus, proprietário do estabelecimento.

Aquele a que muitos chamam a “alma” do Pianíssimo deixou uma mensagem de agradecimento “a toda a equipa, porque sem eles o Pianíssimo não fazia sentido”, sem esquecer todos “os que já passaram por aqui”. Pedro Jesus destacou ainda a importância “de todos os clientes, porque é para eles que trabalhamos diariamente e é por eles que, todos os dias, queremos ser mais e melhor. Obrigada por estarem connosco durante estes oito anos e esperamos contar com vocês por muitos mais”, sem esquecer os emigrantes “que também fazem parte desta família”.

José António Jesus é o “homem por detrás” da obra. Neste caso, é o homem por detrás dos bolos, crepes, waffles, quiches e todos os pratos que são servidos diariamente no Pianíssimo. “É daqui, da nossa cozinha, que saem todos os pratos que os clientes mais gostam. Estou aqui desde o início, gosto muito do que faço e gosto de servir os clientes. Nem sempre é fácil, mas acaba por recompensar”, disse. E deixou também uma palavra de agradecimento: “a todos os colegas de trabalho, em especial à minha esposa, com quem trabalho diariamente. Obrigada também a todos os clientes que são amigos”, afirmou.

Ao seu lado tem, todos os dias, a sua esposa, Mabilde Pereira, com quem divide o seu local de trabalho e todos os afazeres do dia a dia. A cozinheira referiu que “aceitou o desafio lançado pelo Pedro” e que “vale a pena”. Mabilde garantiu que trabalhar com o seu marido “é uma mais-valia”, porque já estão “habituados. Mesmo para o Pedro é bom, ele confia no nosso trabalho e sabe que a cozinha está bem entregue” e deixa uma mensagem: “obrigada a todos por estes oito anos, a todos os colegas e a todos os clientes, porque só com os clientes é que o Pianíssimo faz sentido”.

Quase desde a sua abertura que a “copa” do Pianíssimo tem um rosto: o de Joana Nogueira, a ‘Joaninha’, como é carinhosamente apelidada pelos clientes. Das suas mãos saem as meias de leite, os cappuccinos, os chás ou até os chocolates quentes. É mais uma das caras carismáticas deste estabelecimento e que, orgulhosamente, faz parte da família Pianíssimo. “É um orgulho fazer parte desta equipa e desta família, porque, no fundo, todos fazem parte da minha família”, disse. Aos clientes, Joana Nogueira agradece “os oito anos de companheirismo. Todos os dias venho para esta casa, com a certeza de que é onde me sinto bem e realizada. É um gosto fazer parte da história do Pianíssimo e do dia a dia dos clientes. Obrigada por todos os momentos, por todos os sorrisos e por todas as palavras”.

A mais recente aquisição da “família Pianíssimo” foi a jovem Beatriz Costa, que, antes de ser funcionária já era cliente. “É uma casa super acolhedora e gostaria de parabenizar toda a equipa. Estou aqui há pouco tempo, mas sinto muito orgulho e gosto muito de aqui estar. Tenho uma grande admiração pela casa e espero fazer parte desta família durante muito tempo. Que venham mais anos”, concluiu.

O Pianíssimo está aberto de quarta-feira a domingo e espera por todos os clientes e amigos para celebrarem, em conjunto, o oitavo aniversário.