A falta da principal matéria prima para o fabrico do pão, a farinha, irá provocar um grande aumento no preço do pão, já nas próximas semanas, assegura responsável ligada ao setor.

Carla Mendonça, responsável por uma padaria, revela que os profissionais do sector já foram alertados pelos fornecedores “que o preço do pão vai subir muito nas próximas semanas devido há escassez da matéria-prima, a farinha”.

Na padaria que gere, se em dezembro um pão normal custava 10 cêntimos e um pão de mistura 25 cêntimos, hoje, o cliente paga 12 e 30 cêntimos, respetivamente, pelo pão.

Valores que irão sofrer um aumento considerável nas próximas semanas, mas a gerente não quer “especular e alarmar” porque se trata de um bem essencial para muitas pessoas. “No geral todos consomem pão, mas as pessoas que consomem mais são aquelas com menos poder de compra. Fazem uma sandes e comem uma sopa à noite”, salienta.

Os fornecedores “não falaram em valores concretos”, mas espera-se um “grande” aumento nas próximas semanas.

A subida do preço do pão é “inevitável”, e acompanhará de perto as cotações nos mercados internacionais, segundo Hélder Pires, responsável da Associação do Comércio e da Indústria de Panificação, Pastelaria e Similares (ACIP). Citado pelo Expresso, adianta que as subidas irão verificar-se nas próximas semanas tendo em conta o acréscimo nos preços das farinhas. “O preço das farinhas continua a subir, nas próximas semanas aumentará 120 euros por tonelada, o que representará um acréscimo de 25% face ao preço atual. Concluindo, a subida dos preços do pão verificar-se-á nas próximas semanas”, adianta.

Segundo dados da Euronext, na Europa, os contratos de farinha de trigo para entrega em maio cotavam esta quarta-feira nos 388 euros por tonelada, numa subida interdiária de 4%.