O Município de Marco de Canaveses assinalou o 48.º aniversário do 25 de Abril com uma cerimónia de celebração que se iniciou junto aos Paços do Concelho, com o hastear de bandeiras e uma interpretação do Hino Nacional pela Banda de Música de Vila Boa de Quires, seguindo-se uma sessão solene no Emergente Centro Cultural, com os discursos institucionais e outros momentos musicais alusivos ao Dia da Liberdade.

Na celebração estiveram presentes a presidente da Câmara Municipal de Marco de Canaveses, Cristina Vieira, o presidente da Assembleia Municipal do Marco de Canaveses, Jorge Vieira, vereadores do município, deputados da assembleia municipal, presidentes de juntas de freguesia do concelho e elementos dos respetivos executivos.

Enaltecendo a data, Cristina Vieira, salientou um momento que “trouxe esperança, mas que, sobretudo, nos permite olhar para o futuro e exercer a liberdade de escolha”, sublinhando, ainda, “as prioridades assumidas pelo município: a educação e a cultura”, que “foram e são apostas determinantes” e que “fortalecem os cidadãos, ajudando-os a tomar melhores opções e mais bem informadas. Estamos a fazer um concelho melhor e onde se vive melhor”, frisou.

Para Jorge Vieira, presidente Assembleia Municipal Marco Canaveses o 25 de Abril “é muita coisa, mas é fundamentalmente o que vai na alma das pessoas” e é, por isso, “importante porque celebra a mudança. A única forma que temos de preservar a qualidade da democracia é transmitir a mensagem de tolerância”.

Os deputados da assembleia municipal sublinharam, também, a importância da celebração da liberdade e da democracia, “que serão sempre obras inacabadas e, nesse sentido, é necessário agir contra o populismo, desigualdades, corrupção, medo e ódio”, referiu Sandra Pinto Teixeira, representante do CDS-PP.

Para Vítor Gonçalo, representante do PPD/PSD, “a revolução trouxe o direito à liberdade de expressão, ao associativismo, ao desenvolvimento económico-social e à cultura, que todos almejamos” e para quem “continua a fazer sentido comemorar a data, celebrar os seus valores e conquistas sociais, políticas e económicas”.

Mudanças num sistema “dinâmico, evolutivo e de aprendizagem” apontado por Ana Madureira, representante do PS, “que até à data mostrou ser capaz de superar as maiores crises e adaptar-se às adversidades”. A representante do PS espera que “os partidos e parceiros sociais, independentemente das divergências ideológicas, façam do diálogo e da cooperação o instrumento de trabalho”.

No âmbito das comemorações, no dia 24 de abril, o Emergente Centro Cultural acolheu ainda um tributo a Zeca Afonso.