O município de Celorico de Basto atribuiu, recentemente, a medalha de mérito grau ouro a D. Augusto César, bispo emérito de Portalegre e Castelo Branco. A cerimónia de homenagem decorreu no dia 18 de setembro, em Fervença, na freguesia que o viu nascer.

A Igreja de Fervença acolheu a homenagem a D. Augusto César, que juntou amigos e familiares e no momento em que se assinalam os 50 anos de ordenação episcopal do bispo emérito.

D. Augusto César, nasceu na freguesia de Fervença, concelho de Celorico de Basto, Arquidiocese de Braga, no dia 15 de março de 1932. Foi recebido em 1946 pelos Padres Lazaristas, no seminário de S. José, em Felgueiras. Após dois anos de noviciado em Santander (Espanha), regressou a Felgueiras, tendo completado os estudos filosóficos e teológicos no Seminário Maior de Santa Teresinha, da mesma congregação. Foi ordenado sacerdote a 24 de julho de 1960.

Augusto César Alves Ferreira da Silva partiu para Moçambique, onde esteve ligado à formação nos seminários, “desenvolvendo um trabalho notável neste país, contribuindo com o seu serviço e dedicação para a melhoria das condições de vida das populações”, indica um comunicado da autarquia.

Na Conferência Episcopal Portuguesa, foi membro do Conselho Permanente, presidente da Comissão Episcopal do Clero, Seminário e Vocações e, em 1990, delegado da Conferência Episcopal ao Sínodo dos Bispos sobre a formação do clero.

Após mais de 25 anos à frente da diocese, o Papa João Paulo II aceitou a renúncia de D. Augusto César ao cargo, que se confirmou a 22 de abril de 2004, tendo ido residir na casa das Filhas da Caridade, de S. Vicente de Paulo, em Fátima.

Foto: Município de Celorico de Basto

“A Medalha de Mérito destina-se a galardoar qualquer individuo ou entidade que tenha prestado notáveis e relevantes serviços a Celorico de basto ou seu concelho, e que tenham contribuído para o desenvolvimento ou difusão da sua arte, divulgação ou aprofundamento da sua história ou outros actos de notável importância quer no campo artístico, cultural, cientifico ou profissional, justificativos deste reconhecimento”, pode ler-se.

A proposta, apresentada pelo presidente da Câmara, José Peixoto Lima, teve a aprovação unânime do executivo, definindo o grau ouro para a medalha de mérito, “pelo seu percurso notável que fazem dele uma referência a nível nacional e pelos princípios e valores que sempre pautaram a sua vida”.

O autarca destacou “a personalidade e o trabalho notável do emérito bispo em prol da comunidade, que lhe garantiu o reconhecimento dos seus pares e da sociedade em geral, distinguido uma vida dedicada ao serviço das pessoas”. Para o concelho de Celorico de Basto é “uma honra e um orgulho ter um filho da terra com um trabalho tão importante, reconhecido a nível nacional e internacional, associando-se, naturalmente, o município à homenagem que se faz no momento em que celebra 50 anos de ordenação episcopal”.