Esta segunda-feira, dia 17 de janeiro, o edifício da Junta de Freguesia de Ancede, no concelho de Baião, vai acolher uma sessão de esclarecimento sobre o projeto de reabilitação e valorização do rio Ovil. A sessão será orientada por Pedro Teiga, autor do projeto e especialista em reabilitação de rios e ribeiras.

A sessão, organizada pela Câmara Municipal de Baião e pela União de Freguesias de Ancede e Ribadouro, é aberta a toda a população. É obrigatório o uso de máscara e distanciamento social, sendo a lotação limitada, devido às normas impostas pela Direção-Geral da Saúde.

De acordo com a autarquia baionense, “o percurso que irá ser beneficiado possui uma grande riqueza ao nível das espécies autóctones em termos de fauna e flora, assim como elevado valor ambiental. Ao ser criado um corredor ecológico vai converter-se num lugar de lazer e contribuirá para a sensibilização e educação ambiental dos utilizadores”.

Este projeto insere-se na aposta de valorização ambiental do concelho que a Câmara Municipal de Baião está a desenvolver e enquadra-se na estratégia de Certificação de Baião como Destino Turístico Sustentável.

Estas obras têm como objetivo a reabilitação e valorização do rio, “numa estratégia de desenvolvimento sustentável e recorrendo a técnicas de engenharia natural”, foi explicado. Esta área da engenharia ocupa-se da valorização de cursos de água e estabilização de encostas através do emprego de material vivo, combinado com estruturas inertes como madeira ou pedra.

A obra prevê a realização de trabalhos de consolidação das margens, corte e limpeza da vegetação, contenção de vegetação exótica e invasora e remoção de entulhos.

Serão beneficiados caminhos existentes, através da aplicação de pavimentos resistentes, prevendo-se também a instalação de mobiliário urbano em madeira e a construção de valetas para o encaminhamento de águas nos locais onde se verifique essa necessidade.

O percurso pedonal ao longo do rio Ovil que será construído vai ter várias fases, sendo que a primeira terá uma extensão aproximada de dois quilómetros e meio entre a Ponte Nova (Ancede) e a foz do Ovil (Ribadouro).

Segundo a autarquia, no futuro este percurso terá mais fases, encontrando-se em preparação de candidatura a financiamento a extensão entre Outoreça (Ovil) e Várzea (Campelo).

Os trabalhos foram adjudicados à empresa Anteros Empreitadas – Sociedade de Construções e Obras Públicas, S.A, pelo valor de 157 mil euros, financiados pela Agência Portuguesa do Ambiente e pela Câmara Municipal de Baião.

As obras irão arrancar no dia 18 de janeiro.