O ministro do ambiente, Matos Fernandes, diz que não é previsível uma rutura no abastecimento de combustível “antes do grande aumento do preço da gasolina e do gasóleo” na próxima segunda-feira, embora possa “haver falhas em bombas de menor dimensão, por causa do aumento da procura”.

Em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, o ministro lembrou que Portugal tem reservas públicas de combustível para 90 dias, e as empresas para outros 90 dias.

Leia a notícia completa em expresso.pt.