Ministra da Justiça, Catarina Sarmento e Castro, marcou presença na celebração póstuma do aniversário de Orlando Carvalho no dia 1 de dezembro, no auditório dos serviços desconcentrados do município de Baião, em Santa Marinha do Zêzere.

Orlando de Carvalho é natural da freguesia de Santa Marinha do Zêzere, concelho de Baião. Estudou na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, onde se tornou professor de Direito e foi considerado o “terror” dos estudantes pelo seu “rigor” “exigência” na avaliação.

A ministra, ex-aluna do homenageado na Universidade de Coimbra, afirmou ter aceitado o convite “com muita honra. Sabia entusiasmar para o que estava a transmitir e as aulas eram uma coisa cativante, entusiasmante, que nos prendia até ao fim”, referiu.

Catarina Sarmento e Castro falou também da intervenção social de Orlando de Carvalho, “acérrimo defensor dos direitos fundamentais, desempenhou um papel relevante na luta pela liberdade, desenhou uma linha de compromisso com a liberdade e com a cidadania”, sublinhou.

A governante referiu que pretende “criar um Centro de Estudos Judiciários no norte do país”, de forma a promover a “coesão territorial”. Perante a sua intervenção sobre “Justiça e Direitos Humanos” referiu que “não haverá segurança se os direitos humanos estiverem comprometidos, sendo por isso necessário acautelar esse equilíbrio”.

Por outro lado, o presidente da câmara, Paulo Pereira, falou de um dos “notáveis filhos de Baião e um dos mais carismáticos professores de Direito, tendo ao longo da sua carreira evidenciado um aguçado sentido de justiça, pelo brilhantismo e exigência das suas aulas, sendo considerado pelos seus pares como ‘um Mestre de pensar e um modelo de cidadania”, afirmou.

Para além disso, o autarca lançou um desafio à Sala de Estudo e Documentação Orlando de Carvalho (SEDOC) para, “em futuras sessões se poderem apresentar trabalhos de valorização de outras figuras incontornáveis baionenses, algumas delas hoje aqui referenciadas, como Agatão Lança, António Cabral ou Luís Maria Teixeira Pinto, estando a autarquia disposta a apoiar nos trabalhos necessários para a divulgação destas personalidades”, garantiu. “Quanto a José Luís Carneiro, o tempo pode aguardar mais algum tempo, dado que a viagem ainda será longa e, certamente, interessante e virtuosa…” concluiu.

A cerimónia contou ainda com as intervenções de Teixeira de Sousa, presidente da SEDOC e de Helena Carvalho, sobrinha de Orlando de Carvalho e benemérita da SEDOC, que relembrou o seu tio como “um lutador em defesa da paz e dos direitos humanos”, realçou. Também, o presidente da Junta de Freguesia de Santa Marinha do Zêzere, Manuel Pereira, destacou a “figura ilustre” que foi Orlando de Carvalho.

Além dos intervenientes, a comemoração do aniversário de Orlando de Carvalho contou com as presenças de Francisco Assis, presidente do Conselho Económico e Social, Armando Fonseca, presidente da Assembleia Municipal de Baião, Humberto Brito, presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, Filipe Fonseca, vice-presidente da Câmara Municipal de Baião, vereadores da câmara de Baião, Carlos Nascimento Teixeira, procurador-geral adjunto, coordenador da Comarca Porto Este, presidentes de juntas de freguesia, membros da Assembleia Municipal, Sargento-Ajudante José Alves, comandante do Posto Territorial de Baião da GNR, Armanda Gonçalves, ex-juíza presidente da Comarca Porto Este, antigos alunos do homenageado, entre outras pessoas que se quiseram associar à celebração.

O evento foi organizado pela Câmara Municipal de Baião em conjunto com a Sala de Estudo e Documentação Orlando de Carvalho (SEDOC).