O Ministério da Administração Interna autorizou a constituição de 30 novas Equipas de Intervenção Permanente (EIP), esta sexta-feira, dia 16 de dezembro, elevando o total nacional para 780. 

A decisão foi articulada entre as câmaras municipais e as Associações Humanitárias de Bombeiros Voluntários envolvidas e “dá seguimento à aposta no reforço contínuo do modelo de resposta profissional permanente a riscos de proteção civil”, segundo nota de imprensa.

Neste sentido, foram autorizadas 226 EIP em 2022, mais 10 que as 216 de 2021. Assim, as novas trinta equipas serão compostas por 150 bombeiros profissionais e irá aumentar para 3.900 o total desses operacionais.

As EIP “são formadas por cinco bombeiros profissionais, com elevada especialização e que visam melhorar a eficiência da Proteção Civil e as condições de prevenção e socorro em caso de acidentes e catástrofes”, acrescenta o comunicado.

Neste seguimento, o Governo tem promovido a diversidade de género nas Equipas de Intervenção Permanente e, por isso, a constituição do grupo deve ter um número mínimo de efetivos de cada sexo e não inferior a 20%.

As EIP foram criadas no âmbito de protocolos entre a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), as câmaras municipais e as Associações Humanitárias de Bombeiros.