Esta quinta-feira, dia 27 de janeiro, os médicos de família fizeram um apelo para uma revisão “urgente” da organização do combate à pandemia da COVID-19, bem como a importância de reforçar os cuidados de saúde primários, propondo um conjunto de 10 medidas para melhorar esta resposta.

Segundo a Lusa, num documento conjunto e que resultou da colaboração de diversos profissionais de saúde, os médicos defendem que se elimine “a necessidade de presença física de um médico de família nos centros de vacinação”, tendo em conta o conhecimento sobre as vacinas, “bastando a presença de um médico com treino em medidas de suporte de vida para avaliar e orientar as intercorrências verificadas”.

Os médicos defendem ainda que todos os profissionais das unidades de saúde familiar e das unidades de cuidados de saúde personalizados (médicos, enfermeiros e assistentes técnicos) regressem aos respetivos locais de trabalho e retomem a normal atividade assistencial, incluindo a doença aguda respiratória.

No mesmo documento, os profissionais de saúde apelas para que seja eliminada a estrutura dos ADR (Áreas Dedicadas para Doentes Respiratórios), e defendem que “excecionalmente e quando o contexto local assim obrigue”, os agrupamentos de centros de saúde podem criar “unidades assistenciais suplementares de resposta à doença aguda, com recursos humanos próprios ou em regime de horário extraordinário”.

Os médicos defendem ainda que é necessário “um efetivo automatismo nas declarações de isolamento, por exemplo, que continuam a registar dúvidas e constrangimentos que acabam por desembocar nos centros de saúde. Ao final de dois anos de pandemia, nem os registos estão uniformizados, mantendo duplicações de informação como as que derivam do SINAVE Med e o SINAVE Lab”.

Na mesma nota, o bastonário da Ordem dos Médicos Miguel Guimarães sublinha a necessidade de “uma comunicação efetiva entre as diversas estruturas do Ministério da Saúde” que garanta “um discurso homogéneo e claro, incluindo a otimização das aplicações informáticas disponíveis. Isso implica também ouvir os profissionais que estão no terreno e que devem estar integrados na elaboração das normas e regulamentos”, insistiu.

No referido documento, e segundo a Lusa, estes profissionais de saúde pedem igualmente o reforço da capacidade de resposta da linha SNS24, a revisão dos algoritmos de orientação e de normas e orientações da DGS, “tendo em conta o conhecimento atual”.

A “avaliação clínica personalizada”, com registo no processo clínico eletrónico, eliminando os procedimentos relacionados com a aplicação Trace Covid-19, e a promoção de “uma campanha de publicitação das medidas de autocuidado para as pessoas infetadas por SARS-CoV-2 e respetivos contactos, promovendo a capacitação para a gestão da doença”, são outras medidas sugeridas.

Este documento resultou de uma reflexão conjunta de elementos da direção do colégio de Medicina Geral e Familiar, do Conselho Nacional da Ordem dos Médicos, da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), da Associação Nacional das Unidades de Saúde Familiar (USF-AN) e do grupo de apoio técnico à implementação das políticas de saúde (GAPS), além do bastonário da Ordem dos Médicos.