Marina Leão, natural de Felgueiras, gosta de arte “desde que se lembra”, sobretudo, de pintar. É a única artista da família e diz que “não há um quando, não há um como, já é intrínseco”.

Apesar do gosto pela pintura, apresentar a arte é o “que gosta mais”. Marina Leão explica que: “a forma como apresento a própria arte é quase uma segunda etapa da primeira parte. Adoro misturar materiais, ver novas técnicas, testar, recortar, aplicar. Depois disso, a forma como mostramos também diz muito. Como eu gosto de tudo o que seja ligado à cultura, música, dança, poesia, tento misturar tudo”.

Aliado ao gosto pela tradição, Marina Leão, vai inaugurar uma exposição intitulada “Tradições”, este sábado, dia 3 de setembro, em Guimarães, no Paraíso Rest 19.95 Villas & Spa, às 18h00. 

A exposição é “inspirada em algumas tradições portuguesas”. “Acabei por pegar pelo fado, pelas ruelas, pela sardinhas, pela mesa portuguesa… ir buscar um bocadinho daquilo que mais nos caracteriza”, conta a autora. 

Costuma dizer-se que a arte é subjetiva e, para Marina Leão, cada pessoa deve mesmo poder interpretar “as obras à sua maneira”. No entanto, esclarece que tudo o que pinta “vem mesmo de dentro” e, por isso, pretende “fazer as pessoas sentir, interiorizar e pensar”

A artista relembra uma história caricata: “Um amigo meu que estava a ver as minhas obras, disse-me ‘aquelas ligas estão qualquer coisa’. E eu olho e naquele quadro tem dois rostos, cujo tema é ‘Olhares’, um rosto com os olhos abertos e outro com os olhos fechados e ele viu ali umas ligas”.

Atualmente, Marina Leão atravessa uma fase de “mudança radical em termos profissionais”. Deixou o emprego anterior ligado ao design e, agora, o principal objetivo é dedicar-se à sua arte e à sua marca.

A Box ML é um dos principais projetos em que trabalha e consiste na elaboração de peças de arte ligadas ao design, artesanato e ilustração e que podem também ser personalizadas e “inspiradas nos gostos das pessoas”.

Texto redigido com o apoio de Daniela Lenchyna.