Apaixonada pelos ralis e circuitos, Mariana Leite, natural de Penafiel, mas residente em Baião, decidiu arriscar e levar o carro de família até à Pista da Costilha, em Lousada, para participar numa aventura.

No sábado, dia 23 de julho, lado a lado com a cunhada, pôs prego a fundo durante 10 minutos “que pareceram uma eternidade” e recordou outros tempos. “Foi um misto de sentimento e de adrenalina”, conta.

O “carro de nostalgia”, como lhe chama, foi comprado em 1994 e foi o primeiro carro da mãe de Mariana Leite que já faleceu. Por isso mesmo, “suscita muita saudade” e, além disso, está “cheio de recordações”, pois vários primos “aprenderam a conduzir no carro”. “É o carro da nossa adolescência, marcou uma série de primos e amigos”, explica.

Tinha sido vendido em 2013, mas, há cerca de um mês, o seu marido “voltou a ter a oportunidade de ficar com o carro e apareceu esta brincadeira”, o “Track Day”, um evento que pretendia angariar fundos para as festas de Nevogilde (Lousada).

O veículo “não tem preparação nenhuma”, ia com os “pneus normais” e toda a família presente andou nele pelo percurso. Esta aventura deu “algumas ideias” para o futuro, como participar noutros eventos do género, mas que não passam por mudanças do carro, pois querem mantê-lo “100% original”, já que tem “muito sentimento familiar”.

“Foi um sonho realizado”, garante Mariana Leite, acrescentando que foi também “um sábado em família”, já que têm “todos a paixão do rali e do todo-o-terreno”. O “bichinho” foi-lhe transmitido pelo pai, que acompanhava as rampas como mecânico, e já “na barriga da mãe” ia acompanhando esses eventos. Apesar de o seu emprego não estar relacionado com os motores, refere que é professora a alguns quilómetros de casa e brinca que, “se não tivesse a paixão por conduzir, talvez já tivesse mudado de profissão”.

“Devem aproveitar as oportunidades e fazer delas um bem para si próprias. Se querem fazer alguma coisa devem fazê-lo e não deixar para amanhã. Resume-se a isso, a aproveitar o momento”, aconselha.