Os últimos meses têm sido de “sonho” para Mariana Costa, uma jovem natural de Marco de Canaveses. Na última época desportiva, sagrou-se campeã nacional e venceu a Taça de Portugal de Andebol, no escalão de seniores feminino, em representação pelo Sport Lisboa e Benfica e foi chamada à Seleção Nacional Feminina.

Aos nove anos, Mariana estava longe de imaginar aquele que viria a ser o seu percurso no mundo do andebol, mas garante que sente “orgulho” no seu trajeto. “Lembro-me que me levaram a ver um jogo e quis experimentar. Gostei logo desde o primeiro treino e desde aí nunca mais parei”, recorda.

A jovem jogava na equipa de andebol da Associação Recreativa e Cultural de Alpendorada (ARCA) e na época passada rumou a Lisboa para jogar no Sport Lisboa e Benfica. “Na altura tivemos um jogo contra o Benfica e o convite surgiu”, conta ao Jornal A VERDADE.

Mariana Costa confessa que se sentiu “muito bem” no primeiro ano no clube e encontrou uma equipa “com objetivos diferentes, condições incríveis, desde o treino às instalações”.

Quando começou a jogar andebol, “era mais para passar o tempo”, mas com os resultados, e, posteriormente, o convite do Benfica, percebeu “que realmente era uma coisa que gostava de fazer. Achei que conseguia levar o andebol mais a sério, não digo que profissional, mas tentar fazer alguma coisa disso”, revela.

Em 2019, surgiu o primeiro convite para representar a seleção portuguesa, nas camadas mais jovens e desde então tem participado em várias competições. Recentemente, foi convocada, pela primeira vez, para a Seleção Nacional A de andebol para a 19.ª edição dos Jogos do Mediterrâneo, evento que decorreu em Oran, na Argélia, entre 26 de junho e 7 de julho. 

Um convite que “não estava à espera, foi muito bom, porque é a ambição de qualquer atleta chegar à seleção e representar o nosso país. É uma sensação incrível e completamente diferente, desde o jogo, a pressão que se sente, porque jogar com a seleção temos sempre uma responsabilidade acrescida”.

Mariana Costa está no primeiro ano do curso de Medicina Dentária e confessa que conciliar com os estudos com o andebol “não é fácil, porque tenho de saber lidar muito bem com o tempo que tenho, que não é muito. Mas tenho conseguido conciliar, dentro do possível”.

Os dias “são muito bem organizados. Os treinos são mais ao fim do dia, por isso, durante o dia estou na faculdade. Sempre que consigo ter uma manhã ou tarde livres, vou fazer um treino extra ao ginásio. É sempre o ideal”, conta.

Uma organização que consegue com a ajuda da família que “sempre apoiou em todas as decisões que tomo. Para estar no Benfica tive de me mudar para Lisboa e vir estudar para cá”.

Mariana Costa divide o seu tempo entre a Medicina Dentária e o Andebol, “dois mundos diferentes. Se tiver de escolher … não sei. Acho que se surgir a oportunidade de ir jogar para fora, escolheria o andebol sem dúvida”.

Jogar fora do país e representar a seleção portuguesa num campeonato europeu é uma das suas ambições a nível profissional. “Nós não costumamos conseguir qualificar para o europeu por isso representar a seleção no seria um momento único, porque finalmente conseguimos qualificar para o europeu e eu estava lá”.

Apaixonada pela modalidade, Mariana Costa espera ver, no futuro, “uma maior valorização do andebol. Ainda há muito para fazer, porque há uma diferença enorme entre o feminino e o masculino. O andebol tem muito para crescer em Portugal e acho que estamos cada vez mais perto de o levar mais longe”, frisa.

A jovem deixa uma mensagem de motivação a todos os jovens e atletas: “Se querem muito, continuem a trabalhar, mesmo que achem que não é possível, continuem a dar o máximo e nunca desistam“.