No fim de semana, em Loulé, decorreu a quinta prova do nacional de Todo o Terreno, na qual o Team Bianchi Prata Honda esteve em destaque. A Baja Loulé 2022 foi disputada em dois dias, com mais de 330 quilómetros cronometrados.

Foto: Team Bianchi Prata Honda

Gustavo Gaudêncio foi terceiro da Geral e segundo na TT2. “Baja Loulé, a quinta prova do CNTT22. Entramos bem com um segundo lugar na geral no prólogo, no SS1 estávamos a lutar pela mesma posição, mas uma paragem para retirar o depósito lateral, já que este vinha solto logo após a ZA. Perdi uma posição e saí em terceiro para o SS2, ataquei ao máximo para ver se seria possível recuperar o tempo perdido. Andei sempre na liderança do setor, mas nunca a margem que seria necessária para recuperar toda a desvantagem do SS1. A 30 kms do fim apercebi-me de que não seria possível e baixei o ritmo… deu um terceiro lugar na geral e segundo na TT2. Obrigado a todos por mais um fim de semana de desafios”, afirmou o piloto, citado num comunicado da equipa.

Foto: Team Bianchi Prata Honda

Na classe Veteranos, Pedro Bianchi Prata foi quinto classificado, mantendo o segundo lugar no campeonato: “Foram dois dias duros de muito calor e pó. Nunca consegui andar rápido e dar uso à moto excelente que estou a pilotar. Os meus adversários estiveram muito fortes e estão de parabéns! Vou continuar a treinar pois quero ganhar! Obrigado a todo o staff pelo excelente trabalho e parabéns a todos os pilotos da equipa pelos excelentes resultados. As melhoras ao Christophe, que teve de desistir devido a uma queda”.

Foto: Team Bianchi Prata Honda

Rui Panda foi sétimo classificado e comentou: “Baja de Loulé 2022, como esperávamos, iria ser uma Baja muito técnica e dura. O Clube Automóvel do Algarve brindou-nos com duas pecs de 160 kms. A primeira passagem de sábado não gostei, mas no domingo sim! Foram 160 kms de puro prazer de TT em pleno interior da serra Algarvia. A pec estava maltratada da primeira passagem do dia anterior, mas a Honda CRF 450 rx preparada pelo Team Bianchi Prata esteve à altura dos acontecimentos e deu-me um prazer enorme fazer essa segunda passagem, apesar de ser, mais uma vez, o piloto mais velho, à partida, continuo a divertir-me como um puto! Obrigado patrocinadores, obrigado equipa! Sem vocês eu não curtia estes fins de semana magníficos de prazer nas pistas e fora delas, sim, porque fora das pistas somos uma família loucamente saudável! Parabéns a todos os colegas pelos resultados e pela incrível companhia. Que venham as próximas duas provas até ao final da época que serão mais ao meu gosto nas rápidas pistas de Reguengos e Portalegre”.

Foto: Team Bianchi Prata Honda

Na TT3, Arcélio Couto alcançou o segundo lugar na classe. “Baja de Loulé 2022 Geral – 14.° TT3 – 2.°. De volta ao CNTT, desta vez, na Baja de Loulé (a minha favorita). Traçado espetacular pelas serras algarvias. Prólogo não muito bom, tendo conseguido o quinto posto na TT3. Contudo, na SS1, consegui entrar com um bom ritmo e adotar as dicas do Gustavo Gaudêncio, o que me fez terminar o dia na P2 na classe. Parti para a SS2 com vontade de não perder o segundo lugar, fiz uma PEC sem cometer qualquer erro, tendo conseguido manter a posição. Esta CRF450RX Rally é uma máquina, mesmo nestas pistas sinuosas… Obrigado a todo o Team! Sempre ao mais alto nível… Parabéns ao Tiago Magalhães, que, na sua primeira participação, fez um excelente terceiro lugar na Promoção. As rápidas melhoras ao Christophe Lajouanie”, comentou.

Foto: Team Bianchi Prata Honda

Fábio Magalhães foi terceiro classificado: “Primeiro dia muito complicado. Tudo a correr bem até ao km 148, onde a minha crf aqueceu demasiado os travões e nessa maldita curva a mota resolveu sair em frente e caímos numa valeta muito funda. Felizmente, consegui tirar a mota e alinhar no segundo dia, embora com algumas nódoas no corpo, mas chegámos ao final em P8 Geral e P3 TT1. Agora, é tentar reparar alguns erros e seguir para à próxima. Agradeço a todos os que fazem parte disto”.

Foto: Team Bianchi Prata Honda

Já Christophe Lajouanie foi forçado a desistir devido a uma queda. “A minha primeira corrida de Baja em Loulé começou bem com um prólogo limpo (P15 geral, P3 da classe TT3). Começámos a SS1 com um ritmo bom. Sentia-me muito bem, sem tomar riscos, mas a volta do km 30 não consegui ver uma curva e tive uma saída de pista que resultou num corte grande atrás da cocha, necessitando de intervenção médica. Assim, acabou a minha corrida. Agora tenho semanas duras em frente para recuperar. Obrigado a toda equipa, a mota estava top”, rematou.

O Team Bianchi Prata Honda – Marco de Canaveses também prestou assistência a outros pilotos.

Foto: Team Bianchi Prata Honda

Tiago Magalhães ficou em terceiro na Promoção: “Fim de semana de emoções fortes e nervos à flor da pele. Primeiro, a experiência no todo o terreno, onde tudo foi novidade. O objetivo foi perceber a modalidades, as suas regras e, acima de tudo, acabar. Saio de Loulé com vontade de continuar e evoluir na modalidade. Um muito obrigado a toda a estrutura do Pedro Bianchi Prata, pois assim fica fácil gostar de andar de mota”.

Foto: Team Bianchi Prata Honda

Renato Mendes, ficou em sétimo na TT1. “No sábado de manhã, não fiz o prólogo que desejava, ficando em 27.º lugar. De seguida, seguimos para o SS1 de 160km e entrei determinado em dar tudo. Consegui impor um bom ritmo e ao km 15 já ia colado ao piloto que partiu à minha frente. Apesar do muito pó consegui passar o mesmo, chegando à ZA km 86 colado a um outro piloto. Este piloto viu-me e não me facilitou a passagem, o que fez com que tivesse três quedas e várias saídas de estrada. Foi penar até ao fim da especiais, pois não conseguia ver nada acabado o dia em 19.º lugar da geral e sétimo lugar da classe TT1”, rematou.

“Contudo, o dia não estava terminado e sofri uma penalização de seis minutos por excesso de velocidade num local em que as placas estavam caídas no chão e só me apercebi que estava numa zona de controlo de velocidade quando já estava a penalizar. No domingo e com a penalização que sofri, o meu objetivo era manter o sétimo lugar da classe TT1, pois à Geral pouco podia fazer. Entrei um pouco adormecido e desmotivado com a injusta penalização, mas após o km 35 consegui entrar no ritmo e fiz uma especial sem erros, sem quedas e sem sustos, terminado, assim, o dia no sétimo lugar da classe TT1 e 26.º lugar à geral. Quero agradecer a todos os que me apoiaram e puxaram por mim ao longo dos troços, bem como aqueles que me ajudam neste projeto, sem esquecer ao Team Bianchi Prata Honda, pois a mota, no primeiro dia, chegou um bocado mal tratada e elas, em pouco tempo, a colocaram pronta para o dia seguinte”, finalizou.

A próxima prova está agendada para os dias 24 e 25 de setembro, nas pistas do Alentejo, em Reguengos. “A próxima prova é mais rápida e com bom piso. É uma prova que gostamos muito! Vamos continuar a trabalhar para fazer mais e melhor e apoiar os pilotos novos na equipa”, sublinhou Pedro Bianchi Prata.