Conciliar a vida profissional com a vida pessoal nem sempre é fácil, mas é algo que Lurdes Vieira se orgulha de ter conseguido fazer ao longo de toda a sua vida. É cozinheira, proprietária, em conjunto com o marido, da Tasquinha dos Sabores e também mãe, de um jovem de 27 anos, do qual tem “o maior orgulho do mundo”.

Depois de vários anos a trabalhar num restaurante do concelho, Lurdes Vieira e o marido decidiram dar o passo seguinte e abrir um espaço no centro da cidade de Marco de Canaveses dedicado às tradições. “Estou na área da restauração há 29 anos. O que mais gosto é de estar na cozinha e também em contacto com os clientes, gosto de ir às mesas, saber a opinião de quem nos visita e ter um negócio próprio permite-me fazer tudo isto”, sublinhou.

A Tasquinha dos Sabores, aberta há quase três anos, dedica-se a “servir comida caseira”, com as tradições do concelho de Marco de Canaveses em cada prato confecionado. “O espaço é pequeno, mas acolhedor. Servimos a chamada ‘comida da mãe’ e foi sempre esse o nosso objetivo”, afirmou.

Casou com 18 anos e foi aí que surgiu a paixão pela restauração. Alguns anos depois teve o seu primeiro e único filho, Filipe. “Cresceu no meio das panelas, mas acredito que fiz um bom trabalho. Tanto eu como o pai sempre nos esforçamos para estarmos presentes e, todo o tempo livre que tínhamos, era dedicado a ele. Na escola, andava sempre de olho nas notas, queria que ele tirasse um curso superior”, disse.

Durante os primeiros anos da infância do seu filho, Lurdes Vieira contou com o apoio “fundamental” dos padrinhos. “Eles vinham buscá-lo aos fins de semana e depois voltava aos domingos à noite. Foi difícil, mas tudo se conseguiu. Entretanto ele foi crescente e já ficava connosco no nosso local de trabalho e assim fomos conseguindo levar a vida”, constatou.

O desejo de ver o seu filho tirar um curso superior, de Direito, foi concretizado e, hoje em dia, Filipe é jurista no Estado Maior da Força Aérea. “Sinto-me muito orgulhosa. Ele sempre reconheceu o nosso trabalho, apesar de sentir a nossa falta, mas sempre fez questão de dizer que era graças ao nosso esforço que conseguiu conquistar o curso superior. Ele reconhece o nosso trabalho e sacrifício”, disse.

Atualmente, Filipe encontra-se em Lisboa e vem todos os fins de semana visitar os pais. “Quando abrimos a tasquinha decidimos que aos domingos íamos estar fechados, para conseguirmos estar com a família e é também graças a isso que conseguimos passar o domingo com o nosso filho”, constatou.

Orgulhosa do trabalho feito ao longo da vida do seu filho, Lurdes Vieira garante que continuará a apoiá-lo “em tudo o que ele precisar”, até porque: “o Filipe é tudo na nossa vida”.

Para as mães que, tal como ela, tenham de dividir a vida pessoal com uma vida profissional preenchida, Lurdes Vieira deixa o conselho: “não desistam do trabalho, mas também não desistam dos filhos porque, no fundo, tudo compensa. Quem quer, consegue, basta terem força de vontade”, concluiu.