Realiza-se esta quinta-feira, dia 13 de janeiro, a conferência final do projeto DigiEU – Digital Garden for European Schools, na Biblioteca Municipal de Lousada.

Este projeto, financiado pelo programa Erasmus+, no qual é parceiro o Município de Lousada, termina no próximo mês, mas foi prolongado devido à COVID-19.

Tem como finalidade “estimular o desenvolvimento de aptidões criativas e de conceção crítica através do desenvolvimento de recursos pedagógicos alternativos com base na teoria da aprendizagem construtiva”, o que é possível através do desenrolar de competências digitais nos jovens, com introdução de recursos de aprendizagem personalizados, do planeamento e realização de um percurso educativo ímpar, baseado na construção de jardins urbanos para uso doméstico, aplicando objetivos e métodos multidisciplinares em modo teórico/prático utilizando a metodologia TEAL.

De acordo com um comunicado da autarquia, o projeto pretende ainda “impulsionar o planeamento e criação de protótipos de uma aplicação a ser testada durante a fase piloto e apoiar tutores para aproveitar o potencial dos ambientes de aprendizagem móveis, criando conjuntos de competências de elevado valor dentro dos seus grupos-alvo”.

O Programa BioEscola associou-se ao projeto, dando continuidade ao Plano de Educação Ambiental Integrada que decorre em todas as escolas de Lousada.

O projeto é coordenado pela Petit Pas, de Itália, e tem como parceiros, para além do município de Lousada, o Liceul Teoretic Marin Preda, da Roménia, Danmar Computers, da Polónia, e Cross Culture International Foundation Cyprus, do Chipre.

Foto: Município de Lousada