O realizador António Sequeira escolheu Baião como palco da sua longa-metragem “Outono”, que será filmada ao longo de 2022, visto que o filme retrata as estações do ano. As filmagens já começaram.

Locais como a Avenida 25 de Abril, a Fundação Eça de Queirós, a Estação de “Tormes”, Em Ribadouro e em Amarelhe, entre outros, foram os escolhidos para as filmagens que, numa primeira fase, estarão em Baião durante três semanas, nos meses de março e abril, regressando, depois, nos meses de outubro e novembro.

O elenco principal conta com os nomes de Miguel Frazão e Elsa Valentim que interpretam o papel de pais e Salvador Gil e Beatriz Frazão que interpretam o papel de filhos. Segundo um comunicado da autarquia, “o grupo de teatro baionense «Bai’o Teatro» colaborou com a equipa de realização ao nível de ensaios técnicos, a chamada, repérage, que é a ação de escolher e visitar os espaços onde se fazem as filmagens e de concertar os planos a efetuar”.

Também a comunidade tem vindo a ser envolvida, abrindo as portas de suas casas e participando na figuração, acompanhando os primeiros dias de rodagem.

“Outono”, um filme dramático, retrata o ambiente familiar que se altera quando o filho mais velho ingressa na universidade, focando-se, assim, nas “férias sazonais”, quando o filho regressa a casa, sendo que há lugar para problemáticas de todos os membros da família.

António Sequeira admite que se inspirou na sua própria história para a elaboração da longa-metragem, visto que quando emigrou para o Reino Unido sentiu na pele o que retrata em “Outono”. “Do nada a casa fica vazia… E quando regressamos a casa, já crescemos e mudámos tanto quando estávamos fora que deixamos de ser a mesma pessoa que eles se lembram… e, de repente, a conexão que antes tínhamos começa a desvanecer”, declarou o realizador.

A realização deste filme é financiada por duas produtoras, uma portuguesa e outra inglesa, e a Câmara Municipal de Baião fornece apoio logístico. Segundo a vereadora responsável pelo Pelouro da Cultura, Anabela Cardoso, “este projeto é mais uma forma de promovermos o nosso território, mais concretamente as nossas paisagens e consideramos que, tendo em conta o interesse que este filme tem para Baião, devíamos prestar algum tipo de apoio, neste caso, logístico”. “Será filmado praticamente na íntegra no nosso concelho e as nossas paisagens serão o cenário de excelência, por isso o apoio da autarquia é importante, tendo em conta a projeção que nos irá proporcionar. O realizador é português e muito promissor, já com um vasto currículo e o argumento é uma história inspirada na realidade e com a qual qualquer pessoa se identificará. Será, sem dúvida, uma mais-valia para o nosso concelho e penso que todos os baionenses e quem gosta de Baião se irá orgulhar deste filme”, completou.

Texto redigido com o apoio de Ana Ferrás, aluna estagiária da Universidade Fernando Pessoa.