O Cinema Teixeira de Pascoaes, em Amarante, vai receber, no próximo domingo, dia 27 de março, a apresentação do livro “Mulheres da Minha Ilha, Mulheres do Meu País”, de Ana Cristina Pereira.

A sessão vai decorrer pelas 17h00 e vai ter entrada livre, contando com a moderação pela jornalista Margarida David Cardoso.

Depois da apresentação do livro, vai ser exibido o filme “Miss Marx”, de Susanna Nichiarelli, sobre a vida da filha de Karl Marx, Eleanor Marx.

Esta obra de Ana Cristina Pereira, repórter do “Público”, retrata histórias de mulheres que nasceram num intervalo de mais de 50 anos. “Entre a mais velha e a mais jovem há um mundo de diferenças: o país mudou, as perspetivas e liberdades expandiram-se e, com elas, vieram novas possibilidades e novos obstáculos. Este livro resgata a história dessa transformação a partir de vozes que não fazem parte das estruturas de poder”, refere a autora, citada num comunicado conjunto do Cineclube de Amarante com a Casa da Juventude de Amarante.

“Num ziguezague entre o presente e o passado, parte da vida de mulheres comuns, de diversas classes sociais, para contar as suas histórias, entrelaçadas com a história do arquipélago da Madeira, lugar de fronteira, e com a história das mulheres em Portugal, dimensão menos conhecida da história do país. Sempre em diálogo com artistas naturais ou residentes na região. É, de certa forma, um livro-exposição, um livro-viagem, mas acima de tudo um livro-testemunho do legado de Abril”, acrescenta.

Ana Cristina Pereira fez reportagem sobre tráfico de órgãos humanos em Moçambique, prostituição infantil na África do Sul, lutas políticas na Venezuela, crise migratória em Lampedusa, movimento Occupy Central em Hong Kong, refugiados da República Centro-Africana nos Camarões e outros temas internacionais, mas é em Portugal que costuma trabalhar. Dedica-se sobretudo a assuntos de direitos humanos e exclusão social.

É autora dos livros “Meninos de ninguém” (2009), “Viagens brancas” (2011), “Movimento perpétuo” (2016) e co-autora dos livros “Desafios – Direitos das mulheres na Guiné-Bissau” (2012), “Todas as vozes/All the Voices” (2014) e “Mulheres de São Tomé e Príncipe” (2018). O teatro-documental é outra forma que encontrou de dar voz aos grupos silenciados. Escreveu as peças “Onde o frio se demora” (2016) e “Agora é diferente” (2019).

Esta atividade está inserida numa programação em torno do papel da mulher na sociedade, convidando a uma reflexão sobre o feminismo, numa organização conjunta da Casa da Juventude de Amarante e do Cineclube de Amarante e contando com o apoio do município de Amarante, da associação Gatilho, da Livraria Zé, do Núcleo Feminista de Amarante, do Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso, do Colégio de São Gonçalo e da Universidade Sénior de Amarante.

Esta iniciativa conjunta está inserida no projeto “Adults Education against Abuses of Power”, uma parceria estratégica financiada pelo Erasmus+ da UE. Este projeto europeu é liderado pelo Aventura Marão Clube (AMC), Portugal e envolve parceiros do Chipre (Cardet), de Itália (Oriel); da Polónia (Oso) e de Espanha (Permacultura Cantábria).