Perante o clima húmido e frio que Portugal tem sentido, a população depara-se com problemas de humidade dentro de casa.

Neste sentido, o nível de humidade relativa no ar tem rondado os 100% o que pode explicar o aumento da humidade que os portugueses têm sentido nos tetos, paredes e objetos.

Assim, em relação ao tempo, o mês de dezembro de 2022 é descrito como o mais quente dos últimos 92 anos, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Apesar das temperaturas amenas, o mês registou elevada precipitação, 550.4 mm, o segundo valor mais alto desde o ano de 2000.

O IPMA registou, ainda, valores máximos de humidade relativa no ar a chegar quase aos 100%, por isso, as circunstâncias do tempo podem explicar a humidade sentida nas casas.

Neste sentido e para contornar a situação deverá abrir as janelas diariamente, evitar secar roupa dentro de casa, utilizar aparelhos que retiram o excesso de humidade dentro de casa e, enquanto está a cozinhar, tapar as panelas e ligar o exaustor.

A humidade em excesso pode danificar bens e levar a problemas de saúde, como é o caso de tosse, asma, problemas respiratórios e doenças alérgicas.