Em janeiro de 1997 nascia em Favões, na atual freguesia de Bem Viver, no concelho de Marco de Canaveses, a Granitos Irmãos Peixoto, uma empresa criada por dois irmãos, Rui e António, que, com pouco mais de 20 anos, decidiram arriscar e aventurar-se num negócio por conta própria, com o apoio do pai. 25 anos depois, com “altos e baixos”, é hoje uma das empresas especializadas na extração, transformação e comercialização de rochas ornamentais e produtos em granito.

Rui Peixoto, um dos sócios-gerentes, afirma que o balanço dos 25 anos é positivo, destacando “o muito sacrifício, muito trabalho” e a importância “da escolha de uma boa equipa. Não podemos dizer que somos só nós, eu e o meu irmão, é fruto de toda uma equipa, acho que é muito importante a escolha de bons funcionários, gente que vista a camisola e é isso que tem acontecido. Os nossos colaboradores têm estado sempre presentes, nos momentos bons e menos bons”, destacou.

O empresário referiu que “o desenvolvimento da pedra, nestes 25 anos, foi enorme”, o que permitiu aos colaboradores “trabalhar num setor que se tornou menos duro”, deixando um “agradecimento àqueles que começaram e nunca nos abandonaram e também a toda a juventude que ingressou neste projeto”.

A relação direta com os funcionários é o que diferencia a empresa Granitos Irmãos Peixoto, de acordo com o sócio-gerente. “Temos uma forma muito próxima de trabalhar, até de amizade e isso torna-nos mais coesos”, disse.

O empresário recorda o momento em que iniciou esta aventura. “Éramos novos, estávamos a iniciar a nossa vida com pouca ou nenhuma experiência. Tudo era uma aprendizagem, tivemos de ser arrojados porque tivemos riscos. Os tempos iniciais foram difíceis, mas valeu a pena. Hoje temos um mercado muito mais alargado, os nossos funcionários têm muito mais conhecimentos, é tudo mais fácil”, afirmou.

Com o objetivo de “continuar a crescer” e de “melhorar”, a nível “da eficiência de produção, mas também relativamente à mão de obra, que há alguma escassez. Gostaríamos de caminhar para que a mão de obra seja mais facilitada, seja mais mecanizada, seja tudo mais fácil para trabalhar a pedra. Porque quem recua há 25 anos e vê hoje não tem nada comparação”.

Para António Peixoto, sócio-gerente da empresa, o futuro “passa por esta juventude. Nós já passamos os 50 anos e tem de passar por eles, sempre com a nossa ajuda e experiência, mas é importante pensar no futuro”.

O empresário revela que “trabalhar com um irmão nem sempre é fácil”, contudo “tem corrido bem” e o “balanço é positivo. Começamos do nada e tivemos alguns altos e baixos, mas atualmente estamos num bom patamar, com mais de 50 funcionários, com uma faturação elevada. Para mim foi muito positivo, os bons colaboradores também ajudam e acho que estamos no bom caminho”.

Para António Peixoto, que diz que a sua empresa “não é melhor nem pior que as outras”, o que a diferencia é “a forma pessoal com que tratamos os funcionários. Os jovens querem trabalhar aqui, na fábrica. Para a pedreira é outra luta, que é da minha responsabilidade, mas aqui há muita procura. E é isso que nos diferencia, a proximidade que temos com os nossos funcionários”.

A celebração dos 25 anos da empresa Granitos Irmãos Peixoto contou com a participação de todos os colaboradores e teve vários momentos marcantes, onde foram também homenageados os fundadores e alguns funcionários. O objetivo é, agora, “continuar a lutar por, pelo menos, mais 25 anos” e “ver a empresa a chegar à segunda geração”.

Veja a Foto-Galeria dos Granitos Irmãos Peixoto