No âmbito da operação ALBATROZ, levada a cabo pelo Serviço de Proteção da Natureza e Ambiente (SEPNA), da GNR do Porto, foram detetadas 31 infrações no comércio de fauna protegida. Os dados resultaram de uma investigação que decorreu entre 16 e 20 de janeiro, no distrito do Porto.

As autoridades fiscalizaram 31 estabelecimentos e apreenderam 162 armadilhas de captura não seletivas; oito faisões – Phasianus colchicus; dois verdilhões – Carduelis chloris; e um Grou Coroado Oriental – Balearica regulorum.

De acordo com informação disponibilizada pela GNR foram elaborados 31 autos de contraordenação, no âmbito do Dec. Lei nº 121/2017 de 20 de setembro, da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção (CITES), nomeadamente 11 por comercialização de meios e formas de captura não seletivas; sete por falta de licença para detenção de espécies exóticas; cinco por detenção de canídeos sem vacinação antirrábica válida; dois por falta de registo de criador; dois por não atualização do inventário das espécies; um por falta de autorização para detenção e criação de espécies cinegéticas; um por falta de documento CITES; um por não encaminhamento de veículos em fim de vida; e um por queima de resíduos.

A GNR apela à denúncia de situações de âmbito ambiental. Para o efeito, poderá ser utilizada a Linha SOS Ambiente e Território (808 200 520) funcionando em permanência para a denúncia de infrações ou esclarecimento de dúvidas.