Na passada quarta-feira, dia 2 de março, iniciou a Quaresma, que, para os cristãos, é um período associado ao jejum e abstinência, bem como à penitência e à reflexão, fazendo com que os fiéis tomem parte do sacrifício de Jesus na cruz.

Sofia Nunes de Brito, de Paredes, é “católica praticante” e segue “à risca” o que refere a religião. A Quarta-feira de Cinzas, bem como a Quinta-feira Santa e as sextas-feiras do período da Quaresma são dias de jejum, pelo menos, até às 14h00. Depois, come “uma sopinha branca” e um pão confecionado por si.

Por esta altura, também participa na Via Sacra e a Quinta e Sexta-feira Santa são dias “muito tristes”, pois pensa “o que Jesus passou sem fazer mal a ninguém”. Já o Domingo de Páscoa é vivido com “alegria”, com o receber do compasso em casa, e, se puder, ainda vai assistir à missa, algo que já é um hábito quase diário.

A fé é algo muito importante para Sofia Nunes de Brito. Todos os dias, passa cerca de três horas em orações, rezando “por toda a gente”. E se dizem que a fé move montanhas, neste caso, já a levou a pé até Fátima 47 vezes, fora as restantes em que foi de autocarro ou de automóvel.

“Comecei a ir porque tive uma doença muito grave”, contou ao Jornal A VERDADE, referindo que pediu a Nossa Senhora do Perfeito Socorro que intercedesse junto de Deus para que melhorasse e, em troca, iria a pé até Fátima “todos os anos, enquanto puder”, sem nunca se queixar, e que fazia a caridade que conseguisse.

Sofia Nunes de Brito lembra que cada um tem a sua fé, mas que a realidade é que melhorou depois disso e que já recebeu várias “graças” de Deus.

Com 26 netos e 27 bisnetos, revela que também a sua família mais chegada partilha, na sua maioria, da sua fé. Durante a pandemia, por exemplo, a filha mais velha organizou na sua rua uma via sacra, que contou com a participação de familiares, vizinhos e outras pessoas.

“Na quaresma, tento sempre fazer jejum e abstinência das coisas que mais gosto. Todos os anos tento fazer coisas diferentes. (jejum de comidas, nunca lancho, nunca ouço música, rezo mais). A quaresma é um tempo de reflexão, de redenção e de preparação para pecarmos o menos possível”, explicou também o seu neto Pedro Barroso, referindo que tenta participar em todas as cerimónias referentes à preparação da Páscoa.