O estudo Observador Cetelem Consumo 2022 inquiriu os portugueses sobre as suas intenções de férias de verão. Este ano, quase metade dos portugueses (48%) tenciona fazer férias nos meses de verão.

Este valor representa uma subida de 25 pontos percentuais face ao ano passado e é um valor semelhante ao período antes do primeiro confinamento em 2020, mas ainda longe dos valores de 2019 (71%).

Os inquiridos que demonstram mais intenção em ir de férias são aqueles com idades compreendidas entre os 25 e os 44 anos (60%) e entre as classes mais altas. Observa-se ainda maior intenção de fazer férias no verão junto dos que mantiveram o poder de compra.

Dos portugueses que tencionam ir de férias no verão, 54% planeia tirar duas semanas, sobretudo, os inquiridos entre os 25 e os 44 anos (60%). Cerca de 20% dos entrevistados diz que vai optar por tirar uma semana de férias, sendo esta intenção maior (30%) junto dos mais jovens (18 aos 24 anos).

Os períodos mais procurados para férias são na segunda quinzena de julho (32%) e a segunda quinzena de agosto (27%).

Contudo, ainda há 34% dos portugueses que revela que não tenciona ir de férias e 18% que ainda não sabe se vai, principalmente, os inquiridos com mais de 65 anos (70%).

Quando questionados sobre qual a razão para não terem férias este verão, 52% dos inquiridos revela que é por não ter condições financeiras para tal, motivo mais apontado pelos inquiridos com idades entre os 55 os 74 anos (63%). Outros motivos são o facto de os entrevistados preferirem ir de férias noutros períodos (28%), de não terem férias nessa altura (14%) ou devido ao receio que têm ao nível da segurança face à situação internacional (9%) – os mais jovens são os que mais temem pela sua segurança (14%).