Baião é um dos municípios que mais se desenvolveu através dos Fundos Comunitários, segundo um estudo da Universidade de Aveiro (UA) tornado público recentemente.

A investigação da UA partiu de 55 indicadores para avaliar a variação do desenvolvimento sustentável dos territórios em Portugal, entre 2014 e 2020, na sequência do investimento apoiado por Fundos Europeus, concluindo que Baião, bem como o município vizinho de Cinfães, “se encontram na linha da frente na captação de investimento para a concretização de projetos que conduziram à elevação do Índice de Desenvolvimento Sustentável Dinâmico (IDSD)”, indicam em comunicado.

Este índice tem por base os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 das Nações Unidas, com os quais Baião se tem vindo a alinhar, nomeadamente enquanto Destino Turístico Sustentável certificado.

Paulo Pereira, presidente da Câmara Municipal de Baião, considera o resultado do estudo “um indicador bastante positivo” e que “vem comprovar o que temos referido, resultando das políticas que o município tem seguido, no que respeita à captação de Fundos Europeus e Programas de Investimento e que têm permitido investimentos estruturais para o futuro do concelho”, frisou.   

Em 2022, o concelho de Baião havia sido identificado como o segundo município da Região Norte que conseguiu o maior aumento na captação de fundos comunitários enquadrados no Programa “Portugal 2020”.

Os resultados são públicos e podem ser consultados na página divulgada pela UA.

Neste estudo foi usada uma metodologia que permite avaliar em que medida os Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) são indutores de desenvolvimento sustentável nos municípios e regiões NUTS II em Portugal, assumindo que os impactos no desenvolvimento sustentável (DS) não decorrem de um período de programação/investimento imediato, mas antes de um período de (pelo menos) um ciclo para produzir alguns dos efeitos esperados.