Especiais

Dia da Mãe: Fátima Oliveira dá “asas ao sonho profissional” sem descurar os seus “bens mais preciosos”

José Rocha

02-05-2021

Neste dia da mãe, conheça o testemunho de Fátima Oliveira, mãe e empresária.

É justo dizer que o chuchu não integra a lista de frutos mais consumidos em Portugal. Porém, por ser rico em água, ter poucas calorias e ser adaptável a bastantes formas de confeção, é uma excelente opção para degustar uma refeição saborosa e saudável.

De entre esse elevado leque de opções, há uma pouco convencional, mas que tem conquistado cada vez mais fãs: os “docinhos saudáveis” feitos pelas mãos de Fátima Oliveira. Na área de produção de chuchus desde 2016, após ter descoberto “os excelentes benefícios que podem trazer para a saúde”, criou em 2019 os “doces e sabores” da Oliveira e Castro. “Foi uma ideia que surgiu para aproveitar o chuchu que não dava para a comercialização. O gosto por novos desafios e experiências veio ao de cima e comecei então a criação de uma vasta gama de produtos, porque é cada vez mais importante sabermos comer e principalmente saber o que comemos. E como sou uma pessoa que me preocupo muito com alimentação resolvi desenvolver alguns produtos que me trouxessem segurança e, sobretudo, benefícios a nível alimentar e de bem-estar”, começa por explicar a empresária de Marco de Canaveses.

O facto de não ter mãos a medir para tantos pedidos é hoje em dia, para Fátima, facilitado pelo facto dos seus dois filhos terem 22 e 28 anos e serem já independentes. “No que diz respeito à produção é fácil, uma vez que os meus filhos já têm o seu próprio trabalho. Durante o dia, cada um sai para o seu emprego e só regressam ao final do dia”, conta. Porém, no que concerne à parte da comercialização, conciliar o papel de mãe com o de empresária é uma tarefa mais árdua. “A parte da comercialização dos produtos é mais complicada de conciliar, uma vez que os produtos são vendidos em mercados tradicionais, muitos deles realizados aos fins de semana. Isto cria uma grande pressão, pois sempre gostei de estar com eles nos fins de semana, almoçar, lanchar e termos tempo para trocar ideias e objetivos. É uma parte muito complicada, pois sou muito ligada aos encontros familiares”, lamenta.

Para conseguir “dar asas” e realizar o seu “sonho profissional” sem descurar aqueles que descreve como os seus “bens mais preciosos”, Fátima teve de encontrar um equilíbrio. “Para poder ter as duas coisas, optei por não fazer o mercado da alegria no Porto todos os domingos e sim só um domingo por mês. Assim, fico com um fim de semana livre por mês para poder estar com os meus filhos, uma vez que faço mais dois mercados cá na freguesia de Vila Boa de Quires e Maureles, no primeiro e no terceiro fim de semana de cada mês. E assim vou conciliando o trabalho e a família”, refere satisfeita, assegurando sentir-se “realizada como mãe e como profissional”.

Para que mais mães partilhem desse mesmo sentimento, Fátima deixa um conselho: “Existe sempre uma solução! O importante é nos mantermos focadas nos nossos projetos que pretendemos traçar na nossa vida. Ser mãe é uma benção e ser mulher realizada profissionalmente é um valor a que temos direito. Por isso, seja qual for as dificuldades que encontrem, lutem, porque tudo tem uma solução. Basta acreditar que tudo é possível!”

Antes de terminar, Fátima endereça um desejo a todas as mães: “O Dia da Mãe é todos os dias. Mas, já que existe uma data específica, deixo aqui um desejo de que todas as mães tenham um dia abençoado!”