A primeira edição do projeto RedEscolas Anticorrupção contou com a participação de 17 escolas, incluindo Ilhas e Macau. 

Terminado o período de adesão para o ano letivo 2022/2023, a RedEscolas conta agora com 50 escolas participantes, entre Portugal Continental, Madeira, Macau, Moçambique e Irlanda do Norte. Entre elas está a Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Marco de Canaveses, que aderiu ao programa.

De acordo com a organização do projeto, o plano de ação deste programa tem como “principal âncora o tema da corrupção, associando-se a outros como o lobbying, conflito de interesses e tráfego de influências”.

O RedEscolas Anticorrupção destina-se aos alunos entre o 9.º e 12.º anos e pretende, “através de uma cidadania consciente e ativa nas escolas”, promover o “sentido de espaço público e bem comum. Acreditamos que é a partir da escola que se pode promover o aprofundamento de uma cultura de integridade em Portugal”, pode ler-se na nota enviada ao Jornal A VERDADE.