Assinala-se esta terça-feira, dia 14 de junho, o Dia Mundial do Dador de Sangue que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) “tem como objetivo aumentar a   consciência a nível global para a necessidade de sangue e componentes sanguíneos  seguros, bem como a importância vital da dádiva voluntária feita por dadores não  remunerados para os sistemas de saúde”. 

Os homens podem dar sangue de três em três meses (quatro vezes por ano) e as mulheres de quatro em quatro meses (três vezes por ano). Uma dádiva significa a colheita de aproximadamente 450ml, sem qualquer possibilidade de contrair doenças através da dádiva de sangue, pois todo o material utilizado é estéril e descartável e usado uma única vez. Pode dar sangue uma pessoa que apresente bom estado de saúde, hábitos de vida saudáveis, peso igual ou superior a 50kg e idade compreendida entre os 18 e os 65 anos. Para uma primeira dádiva, o limite de idade é aos 60 anos.

O sangue salva, todos os dias e em todo o mundo, milhões de vidas e melhoram a saúde e a qualidade de vida de muitos doentes. Uma certeza comum que se envolve em muitas dúvidas e mitos.

De seguida, apresentamos 10 perguntas e respostas para responder a algumas das suas dúvidas:

1. Quanto tempo demora?

A coleta do sangue é bem rápida: leva de 8 a 12 minutos. Antes, o doador faz uma triagem e passa algumas informações de saúde para os funcionários do local. 

2. Testei positivo à COVID-19. Posso candidatar-me à dádiva de sangue?

As pessoas candidatas à dádiva que tenham tido COVID-19 devem aguardar 14 dias após a resolução dos sintomas e recuperação clínica.

3. Fui operado. Posso dar sangue?

Pode dar sangue quatro meses depois, caso não tenha tido complicações e não tenha recebido transfusão de sangue. Caso tenham ocorrido complicações (reinternamento, dificuldade de cicatrização) deve aguardar seis meses.

4. Será a minha profissão de risco?

Apesar de muitas profissões estarem expostas a um certo grau de risco, o que importa considerar na dádiva de sangue é a exposição ao risco infeccioso (trabalhar em enfermaria, matadouro, exposição acidental a doença, sangue ou fluidos). Assim e apesar de as profissões terem um risco inerente, não são por si só impedimento para a dádiva de sangue, mas pode, eventualmente, durante a triagem clínica, ser identificado pelo profissional de saúde qualquer circunstância de risco que impeça a dádiva de sangue.

5. Tenho uma tatuagem. Posso dar sangue?

Sim. Pode dar sangue quatro meses depois da realização da tatuagem. As pinturas, stencilling e uso de transfers não contraindicam a dádiva de sangue.

6. Estou a tomar antibiótico. Posso dar sangue?

O antibiótico não é impedimento para a dádiva de sangue, mas sim doença infecciosa subjacente. Os agentes infecciosos (bactérias, vírus, protozoários, fungos), apesar de localizados, podem ser encontrados no sangue circulante. Em caso de infeção aguda (limitada no tempo) poder dar sangue sete dias após terminar o antibiótico e desde que esteja sem sintomas.

7. Viajei recentemente. Posso dar sangue?

Para uma informação correta é importante saber: para onde viajou ou residiu temporariamente, durante quanto tempo, se ficou doente (ocorrência de sintomas durante ou após regresso)

8. No país onde estou emigrado/a faço regularmente a minha dádiva de sangue. Quando venho a Portugal de férias também posso dar sangue?

Pode candidatar-se à dádiva de sangue desde que cumpra os requisitos de elegibilidade para a dádiva. Em princípio estando emigrado num país sem restrições acrescidas para a dádiva de sangue teremos todo o prazer em Portugal que continue, regularmente, a candidatar-se como pessoa dadora de sangue.

9. Realizei exames solicitados pelo médico de família. Poderei dar sangue?

Se a pessoa aguarda resultados de exames complementares de diagnóstico solicitados por rotina e sem sintomas associados, poderá candidatar-se à dádiva de sangue. A realização de exames e/ou análises com a finalidade diagnóstica e para orientação terapêutica implicam a suspensão da pessoa candidata à dádiva até ao conhecimento dos resultados e completo esclarecimento clínico.

10. Tive um cancro há mais de cinco anos e fui dado/a como curado/a. Posso dar sangue?

Deverá consultar o profissional de saúde qualificado dado ser um critério para avaliação clinica.

No site oficial do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) pode consultar as respostas a mais dúvidas sobre a doação de sangue.