Gémeos Ferreira. Um nome conhecido em toda a região do Tâmega e Sousa há mais de 20 anos, com lojas em Amarante, Lousada, Marco de Canaveses e Paredes e onde os clientes podem encontrar “tudo aquilo que procuram”.

Começaram no negócio “impulsionados pelo pai” e faziam feiras onde vendiam “cintos, carteiras, bijutaria…”. Hoje em dia, os António e José já veem os seus filhos a seguir os seus passos, o que os deixa “muito felizes e orgulhosos”.

Naturais da freguesia de Vila Boa de Quires e Maureles, no concelho de Marco de Canaveses, estes gémeos nasceram no seio de uma família humilde. O jeito para a venda e para o contacto com o público sempre esteve no sangue, o que os levou a, depois das feiras, arriscarem-se a abrirem a primeira loja. “Foi no edifício Sonae que abrimos a primeira loja, a conhecida ‘Loja dos 300’”. Contudo, e depois da boa receção por parte dos clientes, António e José decidiram arriscar e abriram um novo espaço em Paredes, seguindo-se Amarante e, mais tarde, Lousada, onde, para além da “loja tradicional”, existe também um espaço exclusivamente dedicado à venda de brinquedos. Com o passar dos anos, e devido à forte afluência de público, também a loja de Marco de Canaveses mudou de local, para um espaço maior e com mais condições.

Nos dias de hoje, o negócio já conta com a ajuda dos filhos. José é pai de Ângela e de Vânia, a primeira, licenciada em gestão, tem o seu foco de atividade na parte da gestão da empresa. “Estou mais pelo escritório, porque é a minha área e é onde sei que os consigo ajudar”, disse a jovem. Já a filha mais nova de José encontra-se na loja de Marco de Canaveses. “Gosto do contacto com o público e para mim só faz sentido estar aqui”, sublinhou Vânia.

Ao contrário do irmão, António é pai de dois rapazes: Hugo e André. Ambos ficam responsáveis pelas compras e pelo contacto com os fornecedores. “É o que gostamos de fazer”, referiram os irmãos.

Para os pais, ver os seus filhos a “seguir as suas pisadas”, é o “maior gosto”, afirmando que “se não fosse isso, já tínhamos ficado um pouco parados. Dão-nos força e vontade de fazer o melhor para eles”, referiram António e José.

Por parte dos filhos, o objetivo é “continuar” com o negócio. “Se eles tiveram tanto trabalho e dedicação, agora é a nossa vez de retribuir o que eles fizeram. Temos de continuar com o nome e a marca que é os Gémeos Ferreira”, defenderam os filhos.

Para que isso seja possível, os quatro pretendem colocar em prática o que aprenderam com os seus pais. “Apesar de ser um pouco complicado, eles acabam por perceber que às vezes temos razão e que é melhor fazer como nós dizemos. Cada um tem as suas ideias, mas com conversa conseguimos chegar a um consenso”, referiram.

O objetivo é “evoluir usando também as ideias deles, afinal eles já estão neste negócio há muitos anos. Mas nós temos a parte da modernidade e da inovação. É trabalhar em equipa e usar o que cada um de nós tem de melhor para, cada vez mais, chegar mais longe”, referiram.

A segunda geração está, neste momento, a lutar pela confiança dos clientes, para que “eles saibam que somos nós que estamos por trás da marca. Nunca vai deixar de ser a cara dos nossos pais, mas agora nós também estamos aqui”.

António e José, para além de serem pais, já são avós e os pequenos são “a alegria” das suas vidas. Sobre a continuidade do negócio na terceira geração, este ainda é assunto “muito prematuro” porque eles são pequenos. “Cada um vai ser aquilo que quiser ser”, defendeu a família.

Como objetivo para o futuro, os filhos de António e José pretendem continuar “o legado deixado” pelos seus pais. Já António e José querem “ver os filhos e os netos felizes” e “continuar a acompanhar o seu crescimento, tanto pessoal como profissional”.