A Direção Geral de Saúde (DGS) atualizou as normas da campanha nacional de vacinação, permitindo, agora, que grávidas iniciem o processo de vacinação para a COVID-19 em qualquer altura da gravidez.

De acordo com a agência Lusa, a DGS explicou que “a vacinação contra a COVID-19 na grávida deve respeitar um intervalo mínimo de 14 dias em relação à administração de outras vacinas. No entanto, se necessário, para a vacinação atempada, poderá ser utilizado qualquer intervalo, incluindo a coadministração em relação à vacina contra a gripe e à vacina contra a tosse convulsa”.

Na norma “campanha de vacinação contra a COVID-19”, hoje atualizada, a DGS diz que “não existe idade materna ou gestacional limite para o início da vacinação”.

A DGS salienta ainda que “a administração de imunoglobulina anti-D na grávida não deve ser adiada”, podendo ser administrada no mesmo dia ou com qualquer intervalo de tempo em relação à vacina contra a COVID-19. Num comunicado divulgado na quinta-feira, a DGS apelou às grávidas para fazerem a dose de reforço da vacina contra o vírus SARS-CoV-2, sublinhando que a vacinação das grávidas é prioritária, “pelo risco acrescido de complicações relacionadas com a COVID-19 neste grupo”.

Recorde-se que a vacinação de uma dose de reforço é também recomendada em pessoas com imunossupressão grave que receberam uma dose adicional para completar o esquema vacinal primário, com o objetivo de aumentar a proteção desta população. 

Texto redigido com o apoio de Rui Pinto, aluno estagiário da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro