Nos últimos dias, a onda de solidariedade para com a população ucraniana tem sido notória em Portugal. No caso do concelho de Marco de Canaveses, chegaram à freguesia de Sande e São Lourenço do Douro, na passada sexta-feira, dia 11 de março, 15 refugiados que procuram dias mais felizes, face ao conflito com a Rússia. Na próxima quinta-feira, dia 17 de março, a viagem vai ser inversa: da freguesia de Alpendorada, Várzea e Torrão vai partir um grupo de voluntários para trazerem consigo alguns ucranianos.

São sete voluntários, de Marco de Canaveses, do Porto e de Santa Maria da Feira, que se juntaram ao padre Cláudio Silva, das paróquias de Alpendorada e Matos (São João Baptista), Eja (Santa Maria), Torrão (Santa Clara) e Várzea do Douro (São Martinho), para tentarem ajudar a mudar o futuro de cerca de 30 pessoas. A viagem vai ser realizada em quatro carrinhas de nove lugares em direção a Varsóvia, sendo que deverão regressar no dia 24 deste mês.

“Perante a situação que estamos a viver, senti a necessidade de que podemos fazer mais, contribuir monetariamente, com bens e algo que está ao nosso alcance e surgiu a ideia de que poderíamos fazer mais alguma coisa”, explicou ao Jornal A VERDADE o pároco, que desafiou, a título pessoal, estes sete voluntários para partirem nesta jornada consigo.

Os refugiados vão ser acolhidos em Marco de Canaveses, “em princípio”, basta só terem a referência de quem são e quantos são e, posteriormente, será feito o contacto com a autarquia, mas já há garantia de espaços que podem acolhê-los, por parte da comunidade das paróquias. Juntamente com os voluntários, seguirá também a recolha de bens que tem sido efetuada na zona e será entregue na fronteira entre a Polónia e a Ucrânia.

Esta viagem está a ser articulada com a Associação dos Ucranianos no Porto, em consonância com o Secretariado Diocesano das Migrações, e conta com o apoio da comunidade das suas paróquias, da Vigararia do Marco e de várias empresas. “Se ajudarmos todos um bocadinho, pode ser mais fácil ajudar aquele povo que tanto sofre nesta altura”, declarou Rui Peixoto, um dos empresários que considera esta “uma causa nobre”.

“Sei que as pessoas têm um bom coração e nestas alturas são muito solidárias. É de louvar o apoio que têm dado, porque, de facto, superaram as nossas expectativas, tanto adultos como crianças. Tem sido uma iniciativa que nos emociona até”, rematou o padre Cláudio Silva, acrescentando que, na próxima quarta-feira, será realizada uma oração pela Paz, na Igreja de Matos, em Alpendorada, pelas 21h30.