A etapa 6, desta sexta-feira, dia 7 de janeiro, fechou a primeira semana de corrida do Dakar 2022 e as dunas surgiram, “pela primeira vez, no meio de uma etapa”, disse o Team Bianchi Prata Honda.

“Depois de um dia que foi encurtado devido a alguns pilotos que estavam na frente se terem queixado que a etapa já estava um bocado dura por já ter sido utilizada pelos carros, camiões e SSV’s. A etapa estava a ser gira até ao quilómetro 100, bastante técnica, com menos velocidade, com muita pedra e trialeiras e eu gosto deste tipo de coisas. Correu bem, chegamos sem percalços. Depois, a etapa foi anulada e viemos em ligação até ao acampamento”, comentou Pedro Bianchi Prata. “Já estamos em dia de descanso, agora no hotel a carregar baterias e a recuperar para amanhã ser só preparar as coisas para a segunda semana do Rally e estarmos prontos para continuar a fazer o meu trabalho, levar a mota e o Paulo até ao fim e, claro, trazer a medalha de finalista de mais um Dakar”, rematou.

Foto: Fotop

Arcélio Couto optou por “ir muito calculoso, muito devagar sem cometer qualquer erro que era para chegar ao fim com a mota direita e também sem qualquer queda”. “No entanto, a etapa foi encurtada, foi cancelada ao quilómetro 100 no abastecimento devido ao mau estado da pista porque ontem passaram os camiões, os carros e os SSV’s e a pista estava bastante degradada. Amanhã será o dia de descanso para pôr a mota impecável e também descansar o corpo”, continuou, citado num comunicado da equipa.

Foto: Fotop

“Não valia a pena arriscar muito porque era uma etapa muito longa, era uma etapa de 400 quilómetros. Acabou por ser anulada, fizemos 100 quilómetros. Foram 100 quilómetros de muita pedra, uma etapa muito ‘endurista’. Acabamos por ficar no top 100, o que não é mau, mas vínhamos num ritmo tranquilo e de segurança para chegarmos ao meio da corrida de forma a conseguirmos atacar na segunda semana”, afirmou Paulo Oliveira.